Cápsula Orion chega ao oceano Pacífico e encerra missão lunar

Publicidade

Cápsula Orion chega ao oceano Pacífico e encerra missão lunar

A aterrissagem encerrou uma missão de 25 dias.A viagem deu início ao programa sucessor da Apollo, Artemis, com o objetivo de devolver os astronautas à superfície lunar

A cápsula decolou em 16 de novembro do Centro Espacial Kennedy em Cabo Canaveral, Flórida, no topo do imponente Sistema de Lançamento Espacial (SLS) de próxima geração da NASA, agora o foguete mais poderoso do mundo e o maior construído pela NASA desde o Saturno V do era Apolo. (Divulgação/ Nasa)

A cápsula decolou em 16 de novembro do Centro Espacial Kennedy em Cabo Canaveral, Flórida, no topo do imponente Sistema de Lançamento Espacial (SLS) de próxima geração da NASA, agora o foguete mais poderoso do mundo e o maior construído pela NASA desde o Saturno V do era Apolo. (Divulgação/ Nasa)

cápsula Orion da Nasa atravessou a atmosfera da Terra e caiu no oceano Pacífico neste domingo (11), depois de fazer uma viagem sem tripulação ao redor da Lua, encerrando a missão inaugural do novo programa lunar Artemis da agência dos Estados Unidos, 50 anos antes do dia seguinte. A última aterrissagem da Apollo na lua.

Em forma de goma, a cápsula transportou uma tripulação simulada de três manequins conectados com sensores. Ela mergulhou no oceano na península de Baja Califórnia, no México.

"Da Base Tranquility a Taurus-Littrow e às águas tranquilas do Pacífico, o capítulo mais recente da jornada da NASA à lua chega ao fim. Orion, de volta à Terra", disse o comentarista da NASA Rob Navias em uma transmissão ao vivo do retorno, referindo-se aos locais lunares sobre os quais a cápsula sobrevoou durante sua missão.

A aterrissagem encerrou uma missão de 25 dias, menos de uma semana depois de passar cerca de 79 milhas (127 km) acima da lua em um sobrevoo lunar e ocorreu cerca de duas semanas depois de atingir seu ponto mais distante no espaço, quase 270.000 milhas (434.500 km ) da Terra.

A cápsula decolou em 16 de novembro do Centro Espacial Kennedy em Cabo Canaveral, Flórida, no topo do imponente Sistema de Lançamento Espacial (SLS) de próxima geração da NASA, agora o foguete mais poderoso do mundo e o maior construído pela NASA desde o Saturno V do era Apolo.

Projeto experimental

A viagem de estreia SLS-Orion deu início ao programa sucessor da Apollo, Artemis, com o objetivo de devolver os astronautas à superfície lunar nesta década e estabelecer uma base sustentável lá como um trampolim para a futura exploração humana de Marte.

Os engenheiros da missão passarão meses examinando os dados da missão Artemis I. Um voo tripulado do Artemis II ao redor da lua e de volta pode ocorrer já em 2024, seguido em mais alguns anos pelo primeiro pouso lunar do programa de astronautas, um deles uma mulher, com o Artemis III.

Embora a cápsula tenha encontrado alguns apagões de comunicação inesperados e um problema elétrico durante sua viagem ao redor da lua, a NASA deu notas altas ao desempenho do SLS e do Orion até agora, vangloriando-se de terem superado as expectativas da agência espacial dos EUA.

Por coincidência, o retorno de Artemis I à Terra ocorreu no 50º aniversário do pouso lunar da Apollo 17 de Gene Cernan e Harrison Schmitt em 11 de dezembro de 1972. Eles foram os últimos dos 12 astronautas da NASA a caminhar na lua durante um total de seis missões Apollo começando em 1969.

A reentrada marcou a fase mais crítica da jornada de Orion, testando se seu escudo térmico recém-projetado pode suportar o atrito atmosférico e proteger com segurança os astronautas que estariam a bordo.

Funcionários da NASA enfatizaram a natureza experimental da missão Artemis I, marcando o primeiro lançamento do Boeing Co-built (BA.N) SLS e o primeiro combinado com Orion, que anteriormente voou um breve teste de duas órbitas lançado em um Delta menor IV foguete em 2014.

Em comparação com a Apollo, nascida da corrida espacial EUA-Soviética da era da Guerra Fria, a Artemis é mais voltada para a ciência e de base ampla, alistando parceiros comerciais como a SpaceX de Elon Musk e as agências espaciais da Europa, Canadá e Japão.

Também marca um importante ponto de virada para a NASA, redirecionando seu programa de voos espaciais tripulados além da órbita baixa da Terra, depois de décadas focando em ônibus espaciais e na ISS.