O cálculo político do PT para Bolsonaro ficar inelegível - PORTAL JOGO ABERTO

O cálculo político do PT para Bolsonaro ficar inelegível

Integrantes do PL não admitem em público, mas fazem uma avaliação semelhante sobre a situação delicada do ex-ocupante do Palácio do Planalto.

Mas há outros motivos que justificam a pressa do PT em condenar Bolsonaro por abuso de poder político, econômico e uso indevido dos meios de comunicação. Ao longo de 2023, o TSE vai passar por uma série de mudanças em sua composição que vão mexer com a correlação de forças dentro da Corte e devem produzir reflexos na arena política.

Invasão em Brasília: veja os bolsonaristas já identificados

Apoiadora de Bolsonaro, a youtuber chegou a fazer transmissões ao vivo; ela foi exonerada de um cargo na EBCO ex-BBB Adriano Castro, conhecido pelo apelido Didi Red Pill, participa de atos golpistas em Brasília
89 fotos
Tenista suspenso por doping, Gustav Klier esteve em atos terroristas em Brasília com a namorada Vitoria Gonçalves
Capital federal foi palco de barbárie generalizada, com ataques ao Palácio do Planalto, ao Congresso Nacional e ao STF

Não só Lula vai indicar novos ministros ao TSE, como os processos que impactam a sobrevivência política de Bolsonaro mudarão de mãos.

Em novembro, as Aijes sairão das mãos de Benedito Gonçalves e irão para Raul Araújo, ministro bem mais palatável para os bolsonaristas.

Foi Raul Araújo quem deu a polêmica decisão que proibiu a manifestação política de artistas no Lollapalooza no ano passado, o que foi duramente reprovado pelos colegas. Ele também deu o único voto contra aplicar a multa de R$ 22,9 milhões imposta por Moraes contra o PL, partido de Bolsonaro, após a sigla pedir a anulação de parte dos votos no segundo turno. Araújo considerou o valor exagerado.

Durante a campanha eleitoral, Araújo atendeu a um pedido do PL e determinou que fossem apagados vídeos de Lula chamando Bolsonaro de “genocida”. A maioria do plenário, no entanto, acabou entendendo que Lula poderia usar o adjetivo para atacar a gestão desastrosa do adversário no combate à pandemia.

“Essas ações contra Bolsonaro são robustas por si”, diz um influente petista à equipe da coluna. O temor no PT é se Raul Araújo terá o mesmo empenho que Benedito Gonçalves quando herdar os processos do colega.

Antes da troca na Corregedoria do TSE, o tribunal vai passar por outras três mudanças em sua composição titular.

O TSE é um tribunal híbrido, formado por 3 ministros oriundos do Supremo Tribunal Federal (STF), dois do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e outros dois advogados. A mesma proporção é obedecida na composição de ministros substitutos, chamados para julgar casos quando os efetivos se declaram impedidos ou se ausentam das sessões, por exemplo.

Em maio, chegam ao fim os mandatos de Sérgio Banhos e de Carlos Horbach, dois integrantes titulares do TSE da cota dos juristas. Horbach ainda pode ganhar mais dois anos no tribunal. Banhos, por outro lado, já foi reconduzido.

Ou seja, Lula terá duas vagas de ministros titulares para preencher, mas o “processo seletivo” do TSE limita as escolhas do presidente.

O presidente da República vai escolher os nomes do TSE a partir de uma lista tríplice votada e definida pelo STF, que faz uma espécie de triagem.

Pela tradição do TSE, os ministros titulares da cota dos juristas são reconduzidos – e os substitutos são efetivados e se tornam titulares quando abre uma vaga. Dessa forma, a ministra Maria Claudia Bucchianeri poderia deixar o “banco de reservas” ainda no primeiro semestre.

Bucchianeri chegou ao TSE por indicação de Bolsonaro, com o apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e de lideranças do Centrão. Em 2018, a ministra atuou como advogada da campanha de Lula à Presidência da República. O petista teve o registro barrado por estar enquadrado na Lei da Ficha Limpa após as condenações impostas pela Lava Jato, que seriam anuladas três anos depois.

Em casos de propaganda julgados no ano passado, Bucchianeri defendeu o direito de Lula chamar Bolsonaro de “genocida”, mas irritou petistas ao dar uma decisão que mantinha no ar postagens do então presidente da República que associavam o PT ao PCC.

As postagens tinham como referência reportagens jornalísticas, mas a decisão acabou derrubada pelo plenário.

Outra troca prevista para maio é a saída do ministro Ricardo Lewandowski, que se aposenta compulsoriamente ao completar 75 anos. Nesse caso, a mudança deve ser boa para Bolsonaro, já que Kassio Nunes Marques vai entrar no lugar de Lewandowski.

Francischini foi investigado e condenado por uso indevido dos meios de comunicação, além de abuso de poder político e autoridade. Em uma nova reviravolta, a decisão de Nunes Marques acabou derrubada pela Segunda Turma do STF, que manteve de pé a cassação de Francischini.

Dessa forma, o precedente de Francischini pode ser usado agora para declarar Bolsonaro inelegível pelos mesmos motivos: atacar o sistema eleitoral sem apresentar provas.

Dentro do TSE, a avaliação é a de que os recentes acontecimentos fortaleceram Moraes e sua ofensiva contra extremistas. Em meio a todas essas mudanças, o magistrado continua à frente do tribunal até junho de 2024, para o pavor dos bolsonaristas.

O cálculo político do PT para Bolsonaro ficar inelegível O cálculo político do PT para Bolsonaro ficar inelegível Reviewed by Jotta Júnior on janeiro 16, 2023 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.