Quem é o bombeiro preso no RJ suspeito de participar de atos terroristas em Brasília

Outros dois alvos de mandados de prisão não foram localizados. Eles são suspeitos de organizarem atos em frente a quartéis do Exército, e financiar ou participar dos atos terroristas de 8 de janeiro em Brasília.

Por Rafael Nascimento, g1 Rio

Subtenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Roberto Henrique de Souza Júnior, tem 33 anos de corporação — Foto: Reprodução
1 de 3 Subtenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Roberto Henrique de Souza Júnior, tem 33 anos de corporação — Foto: Reprodução

Subtenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Roberto Henrique de Souza Júnior, tem 33 anos de corporação — Foto: Reprodução

Polícia Federal (PF) prendeu, na manhã desta segunda-feira (16), o subtenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro Roberto Henrique de Souza Júnior, de 52 anos, lotado em Guarus, no Norte Fluminense, suspeito de organizar e financiar os atos terroristas no Distrito Federal, em 8 de janeiro. Júnior, que está há 33 anos na corporação, foi preso em casa, em Campos dos Goytacazes.

Ao g1, o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Leandro Monteiro, afirmou que o suboficial foi afastado das funções.

"O Corpo de Bombeiros do Rio repudia veementemente quaisquer atos que ameacem o Estado Democrático de Direito. Será instaurado, ainda hoje, um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar a participação do bombeiro da corporação em ataques contra o patrimônio público e em associações criminosas visando à incitação contra os poderes institucionais estabelecidos, o que é inadmissível", disse Monteiro.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que "acompanha de perto a operação da Polícia Federal e segue ao dispor das autoridades para colaborar nas investigações". Júnior está preso conforme decisão judicial e será conduzido, ainda nesta segunda, ao Grupamento Especial Prisional da (GEP) da corporação, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, onde ficará à disposição da Justiça.

Candidato a deputado federal

O subtenente Roberto Henrique foi candidato a deputado federal nas eleições de 2018. À época, o bombeiro disputou o pleito pelo partido Patriota, partido ligado a base do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), sob o nome de Júnior Bombeiro. Ele teve apenas 1.260 votos.

Bolsonaristas invadiram e depredaram as sedes dos três Poderes em Brasília no último domingo — Foto: JOEDSON ALVES/ANADOLU AGENCY VIA GETTY IMAGES

Em agosto do ano passado, ele foi condenado pela Justiça Eleitoral por mau uso do fundo partidário. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio, o então candidato não prestou suas contas de campanha, motivo pelo qual obrigado a devolver R$ 4 mil. O g1 não conseguiu contato com a defesa de Roberto Henrique.

Outros mandados

Outros dois alvos de mandados de prisão são procurados.

Além das prisões, também foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão. Os nomes dos alvos não foram divulgados. Na ação, a PF apreendeu celulares, computadores e documentos diversos.

Os suspeitos são investigados por associação criminosaabolição violenta do Estado Democrático de Direito incitação das Forças Armadas contra os poderes institucionais — crimes que teriam sido cometidos ao financiarem e organizarem os ataques às sedes dos três Poderes, em Brasília, e nos atos em frente aos quartéis em Campos dos Goytacazes.

Além disso, os alvos também são investigados pelos atos antidemocráticos pós-segundo turno das eleições, que bloquearam vias no Rio de Janeiro.

"Durante a investigação, foi possível colher elementos de prova capazes de vincular os investigados na organização e liderança dos eventos. Além disso, com o cumprimento hoje dos mandados judiciais, será possível identificar eventuais outros partícipes/coautores na empreitada criminosa", diz comunicado da Polícia Federal.

Durante a operação da Polícia Federal em Campos, houve apreensão de celulares, computadores e documentos diversos — Foto: Polícia Federal

Relembre os atos terroristas no DF

Bolsonaristas radicais, golpistas e criminosos invadiram e depredaram o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Palácio do Planalto —sede da Presidência da República, em Brasília.

Durante o ataque sem precedentes à democracia brasileira, os terroristas quebraram vidraças e móveis, vandalizaram obras de arte e objetos históricos, invadiram gabinetes de autoridades, rasgaram documentos e roubaram armas.

Pelo menos 1.300 pessoas foram detidas, incluindo o ex-secretário de Segurança Pública e ex-ministro da Justiça Anderson Torres, aliado de Bolsonaro (PL). O ex-comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), coronel Fábio Augusto, também foi preso.

As prisões de Torres e Augusto aconteceram após determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Terrorismo em Brasília: Fantástico refaz a cronologia da barbárie dos atos golpistas de domingo (8)

Terrorismo em Brasília: Fantástico refaz a cronologia da barbárie dos atos golpistas de domingo (8)

Quem é o bombeiro preso no RJ suspeito de participar de atos terroristas em Brasília Quem é o bombeiro preso no RJ suspeito de participar de atos terroristas em Brasília Reviewed by Jotta Júnior on janeiro 16, 2023 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.