Moradores dizem que ataques foram os mais intensos do conflito, que completa 3 semanas neste sábado (28). Região segue sem comunicação, o que prejudica atendimento a feridos, diz OMS. Embaixada do Brasil ainda tenta contato com parte do grupo de brasileiros em fuga do território palestino.

Por Wesley Bischoff, g1 — São Paulo

Vídeo mostra vários tanques de Israel na Faixa de Gaza

Vídeo mostra vários tanques de Israel na Faixa de Gaza

As tropas israelenses permanecem na Faixa de Gaza , na mais extensa operação terrestre já realizada desde o início da guerra, em 07 de outubro. A operação já dura pelo menos 12 horas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse na rede social X que foi "surpreendido por uma escalada de bombardeios sem precedentes, que comprometeu os objetivos humanitários".

Israel reforçou o apelo para que os palestinos deixem o norte de Gaza e sigam em direção ao sul, por segurança.

O porta-voz militar israelense Daniel Hagari disse, em uma rede social, que "este é um aviso militar urgente", porque uma operação para neutralizar o Hamas está prestes a acontecer.

Sobre os ataques deste sábado, Hind Khoudary, jornalista palestina em Gaza, postou em uma rede social que "esta é a noite mais terrível que passei na minha vida" (leia abaixo).

Motasem Mortaja, jornalista que também está na região, escreveu no Instagram que "esta foi a pior noite da história de Gaza".

A ofensiva acontece em meio a pressões internacionais por uma pausa nos ataques (leia mais abaixo e neste link).

Na sexta-feira (27), a ONU aprovou uma resolução simbólica para uma trégua humanitária. A resolução pede ajuda e acesso à Faixa de Gaza para proteção aos civis.

A Embaixada brasileira informou ter feito contato com os brasileiros que estão em Rafah. Segundo a Embaixada, eles continuam seguros e vão tentar comprar água e alimentos hoje.

A Embaixada segue tentando contato com os brasileiros que estão em Khan Younes, no sul de Gaza.

150 alvos foram bombardeados

As Forças de Defesa de Israel anunciaram ter bombardeado 150 alvos subterrâneos do Hamas durante a madrugada deste sábado (28).

Os ataques aos alvos subterrâneos do Hamas destruíram túneis, espaços de combate subterrâneos e outras infraestruturas do grupo no norte da Faixa de Gaza.

"Além disso, vários terroristas do Hamas foram mortos", acrescentaram os militares em um comunicado.

As Forças de Defesa de Israel também disseram que expandiram suas operações por terra a partir do norte de Gaza. Um vídeo divulgado pelos militares mostra vários tanques circulando pela região. (Assista acima).

O porta-voz militar israelense Daniel Hagari afirmou que Israel vai "ampliar o esforço humanitário", permitindo que caminhões entrem no sul de Gaza com alimentos, remédios e água.

Chefes do Hamas são mortos

A Defesa israelense anunciou ter assassinado o chefe da ala aérea do Hamas, Asem Abu Rakaba. Ele seria o responsável por coordenar a invasão do dia 7 de outubro pelo ar, com o uso de parapentes.

Outra liderança executada foi o comandante das Forças Navais da Brigada da Cidade de Gaza do Hamas, Ratib Abu Tzahiban. Ele é acusado por Israel de tentar fazer uma infiltração naval contra o país em 24 de outubro.

Além disso, Israel disse ter contra-atacado o Hezbollah, após o grupo armado ter lançado foguetes em direção ao território israelense na sexta-feira (28). Em resposta, os militares israelenses atacaram bases do grupo no Líbano, neste sábado.

Três semanas de guerra

Menino palestino em frente a escombros de edifício após ataque israelense à Cidade de Gaza, em 26 de outubro de 2023 — Foto: Omar El-Qattaa / AFP

O conflito entre Israel e o Hamas completa três semanas neste sábado.

A guerra começou no dia 7 de outubro, depois que o grupo terrorista invadiu e lançou foguetes contra o território israelense. De lá para cá, milhares de pessoas morreram ou ficaram feridas.

Neste momento, o conflito entra em uma nova fase de tensões após Israel intensificar as operações terrestres contra o Hamas na Faixa de Gaza. Uma ocupação por terra é prometida pelo governo israelense desde o início da guerra.

“Pretendemos desmantelar as suas capacidades, destruir o seu governo e garantir que nunca mais possam usar a Faixa de Gaza como palco contra o nosso povo”, disse o porta-voz das Forças de Defesa de Israel na sexta-feira (27), se referindo ao Hamas.

Enquanto isso, civis palestinos enfrentam escassez de recursos básicos, como água, alimentos, remédios e combustível. Aliados da Autoridade Palestina tentam negociar um cessar-fogo ou pausas humanitárias para ajudar a população.

Ainda na sexta-feira, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas aprovou uma resolução simbólica para trégua no conflito entre Israel e Hamas.

Ao todo, 120 países votaram a favor da resolução, enquanto 45 se abstiveram e 14 rejeitaram — incluindo Estados Unidos e Israel. O documento não tem efeito prático, mas demonstra peso político.

Cessar-fogo, trégua e pausa humanitária: entenda as diferenças dos conceitos

Israel x Hamas

Israel declara guerra após ataque do Hamas; entenda

Israel declara guerra após ataque do Hamas; entenda

▶️ Como começou o conflito? O confronto se iniciou após o grupo terrorista Hamas lançar centenas de foguetes contra Israel a partir da Faixa de Gaza, em 7 de outubro.

  • Por terra, ar e mar, com motos e parapentes, homens armados invadiram o território israelense pelo sul do país.
  • Os invasores atiraram em pessoas que estavam nas ruas e sequestraram centenas, incluindo mulheres e crianças, que foram levados como reféns para Gaza.

▶️ Como foi a resposta de Israel? Diante da ofensiva do Hamas, o governo israelense iniciou uma retaliação.

  • "Estamos em guerra e vamos ganhar", disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, logo após o ataque. "O nosso inimigo pagará um preço que nunca conheceu."
  • Ainda em 7 de outubro, Israel lançou bombas em direção à Faixa de Gaza.

▶️ O que é e onde fica a Faixa de Gaza? É o território palestino localizado em um estreito pedaço de terra na costa oeste de Israel, na fronteira com o Egito.

  • Marcado por pobreza e superpopulação, tem 2 milhões de habitantes morando em um território de 360 km².
  • Para se ter uma ideia desse tamanho em comparação com cidades brasileiras, o território é um pouco maior que o da cidade de Fortaleza (312,4 km²) e menor que o de Curitiba (434,8 km²).
  • Tomada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e entregue aos palestinos em 2005, Gaza vive um bloqueio de bens e serviços imposto por seus vizinhos de fronteira.

▶️ Qual é o histórico do conflito na região? A disputa entre Israel e Palestina se estende há décadas e já resultou em inúmeros enfrentamentos armados e mortes.

  • Em sua forma moderna, remonta a 1947, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs a criação de dois Estados, um judeu e um árabe, na Palestina, sob mandato britânico.