Um alto comandante militar do Hamas disse que 5 mil foguetes foram lançados. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que seu país está em estado de guerra.

Por g1

Bombeiros israelenses tentam apagar incêndios após ataques em Israel

Líderes mundiais condenaram o ataque do Hamas contra Israel durante a manhã deste sábado (7). Veja a repercussão:

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia

"Condeno inequivocamente o ataque realizado pelos terroristas do Hamas contra Israel. É o terrorismo na sua forma mais desprezível. Israel tem o direito de se defender contra tais ataques hediondos".

Emmanuel Macron, presidente da França

"Condeno veementemente os ataques terroristas que atingem Israel. Expresso a minha total solidariedade às vítimas, às suas famílias e entes queridos".

OIaf Scholz, chanceler da Alemanha

O chanceler alemão, OIaf Scholz, disse que os lançamentos de foguetes dos militantes e a escalada da violência “nos chocam profundamente”. Ele acrescentou que “a Alemanha condena estes ataques do Hamas e está ao lado de Israel”.

Antonio Tajani, ministro das Relações Exteriores da Itália

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Antonio Tajani, disse que o governo condena os ataques a Israel “com a maior firmeza”. “A vida das pessoas, a segurança da região e a retomada de qualquer processo político estão em risco. O Hamas deve parar imediatamente com esta violência bárbara. Apoiamos o direito de Israel existir e se defender".

Ministério das Relações Exteriores do Egito

O Egito alertou para as “graves consequências” de uma escalada nas tensões entre Israel e os palestinos, num comunicado do Ministério das Relações Exteriores divulgado pela agência de notícias estatal. Apelou a “exercer a máxima contenção e evitar expor os civis a maiores perigos”.

Annalena Baerbock, ministra das Relações Exteriores da Alemanha

"Condeno veementemente os ataques terroristas de Gaza contra Israel. A violência e os foguetes contra pessoas inocentes devem parar agora. Israel tem a nossa total solidariedade e direito, segundo o direito internacional, de se defender contra o terrorismo".

Mark Rutte, primeiro-ministro da Holanda

"Acabei de falar com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre o ataque sem precedentes do Hamas. Disse-lhe que a Holanda condena inequivocadamente esta violência terrorista e apoia plenamente o direito de Israel se defender".

Homem corre após explosão provocada por foguete lançado da Faixa de Gaza, em Israel, em 7 de outubro de 2023 — Foto: REUTERS/Amir Cohen

Ministério do Exterior da Ucrânia

"A Ucrânia condena veementemente os ataques terroristas em curso contra Israel, incluindo ataques com foguetes contra a população civil em Jerusalém e Tel Aviv. Expressamos nosso apoio a Israel no seu direito de se defender e ao seu povo".

Zbigniew Rau, ministro das Relações Exteriores da Polônia

"Condeno veementemente os ataques contínuos do Hamas a Israel. Esta agressão infundada e atos de violência, especialmente contra civis, são inaceitáveis. Nossos pensamentos e orações estão com todos os afetados por esses terríveis acontecimentos".

Hadja Lahbib, ministra das Relações Exteriores da Bélgica

"A Bélgica condena veementemente os ataques maciços de foguetes contra civis israelenses. A violência e o terror apenas perpetuam o sofrimento e dificultam o caminho para o diálogo. Nossos pensamentos estão com todos os afetados. Estamos monitorando a situação de perto".

Análise: 'Ataque do Hamas a Israel não muda situação da Palestina'

Análise: 'Ataque do Hamas a Israel não muda situação da Palestina'