Complexo Hospitalar Regional de Cacoal, em RO — Foto: Giliane Perin
1 de 1 Complexo Hospitalar Regional de Cacoal, em RO — Foto: Giliane Perin

Complexo Hospitalar Regional de Cacoal, em RO — Foto: Giliane Perin

Devido a falta de contratação de profissionais da saúde no Hospital Regional de Cacoal (HRC), o Ministério Público de Rondônia (MP-RO) ingressou com uma Ação Civil Pública contra o Estado de Rondônia na última terça-feira (17).

A ação pede que pelo menos 13 médicos ou intensivistas sejam contratados para as alas de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e mais 14 pediatras para atuação na mesma unidade de saúde.

De acordo com o MP-RO, o hospital atende pacientes de pelo menos de 32 municípios do estado, além de estados vizinhos como Mato Grosso e Amazonas, e de outros países como Bolívia, Venezuela e Haiti. Foi apurado que atualmente leitos adultos estão bloqueados nas alas de UTI, o que pode prejudicar ou expor pacientes a risco.

O órgão disse que vem cobrando o funcionamento dos leitos e a contratação de novos médicos desde de março de 2022, no entanto, as providências necessárias não foram adotadas. Também é mencionado que o Estado realizou concurso público para a área da saúde, mas que os candidatos aprovados não são convocados.

À Rede Amazônica, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) informou que se coloca à disposição para mais esclarecimentos e destacou o edital para contratação temporária de médicos especializados, que devem atender nas regiões de Ariquemes, Buritis, Cacoal, Extrema, Porto Velho e São Francisco do Guaporé, e tem o objetivo de amenizar filas de espera e aumentar o fluxo de cirurgias.