Estudantes da Unir fazem inauguração 'independente' do restaurantes universitário que esperam há mais de 10 anos — Foto: Emily Costa/g1 RO
1 de 5 Estudantes da Unir fazem inauguração 'independente' do restaurantes universitário que esperam há mais de 10 anos — Foto: Emily Costa/g1 RO

Estudantes da Unir fazem inauguração 'independente' do restaurantes universitário que esperam há mais de 10 anos — Foto: Emily Costa/g1 RO

Estudantes da Universidade Federal de Rondônia (Unir) realizaram, na manhã desta terça-feira (28), a inauguração 'independente' do Restaurante Universitário (RU) construído no campus de Porto Velho. O ato simbólico visa cobrar uma data para abertura do restaurante que eles esperam há mais de 10 anos.

A instituição é a única da região Norte, em âmbito federal, que não possui restaurante universitário em nenhum campus. O prédio está construído e pronto há tempos, mas os estudantes reclamam da demora na inauguração e da falta de transparência quanto aos processos.

Em um comunicado oficial, a organização estudantil afirmou: "se a reitoria não abrir o RU este ano, nós o faremos. Lutar não é crime!'. Foi então que eles convidaram a comunidade acadêmica para uma "inauguração" independente e venderam o prato de comida por R$ 1.

Para manter a ocupação, esta sendo cobrando o valor de R$1,00 pelo almoço na inauguração do restaurante — Foto: Emily Costa/g1 RO

A inauguração é conduzida pelo comando de ocupação estudantil liderado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). Os alunos estão ocupando o local há cinco dias, em forma de protesto. Eles cobram que o restaurante comece a operar ainda este ano.

Luta histórica

Em 2011 os estudantes da Unir ocuparam a reitoria por mais de um mês reivindicando a renúncia do então reitor e cobrando uma série de melhoria nos campis da universidade. No dia 23 de novembro, eles alcançaram vários direitos, entre eles um projeto para construção do RU em cinco unidades: Guajará-Mirim, Ji-Paraná, Cacoal, Rolim de Moura e Porto Velho.

Doze anos depois, a única obra concluída foi a de Porto Velho. De acordo com coordenador geral do DCE, Alexandre de Melo, a reitoria da Unir estabeleceu prazos para a abertura do prédio e não cumpriu.

"Ficamos cansados de tantas promessas. Enquanto isso, os alunos ficam com fome. O nível de evasão estudantil é altíssimo, justamente porque os mais pobre não conseguem se manter aqui [na universidade]", explica Alexandre.

Instituição é a única da região Norte, em âmbito federal, que não possui RU em nenhum campus — Foto: Emily Costa/g1 RO

Conforme o coordenador do DCE, eles buscam esclarecimentos sobre o funcionamento do restaurante em Porto Velho e cobram respostas sobre a construção dos outros restaurantes nos polos da Unir espalhados pelo interior de Rondônia. A ocupação permanece por tempo indeterminado, aguardando pronunciamento da reitoria.

Estudantes permanecem ocupados no RU desde o dia 23 de outubro — Foto: Emily Costa/g1 RO

'Os boia-fria da unir'

Alexandre conta que existe uma figura de linguagem dentro do campus muito utilizada pelos estudantes que é "boia-fria da Unir". Isso porque, enquanto não têm acesso ao restaurante universitário, os acadêmicos da Unir levam suas próprias "marmitas" pra aula.

São várias situações enfrentadas, como o prato de comida mais barato no campus custa em média R$ 15 . Com um valor desse, os estudantes buscam outras opções como comprar salgados nas cantinas.

Estudante realizam ocupação e cobram funcionamento do restaurante universitário da Unir — Foto: Emily Costa/g1 RO

Para ele, a construção dos restaurantes é a garantia de uma política de assistência estudantil que vai trazer inúmeros benefícios, sobretudo para as pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica que passam quase o dia inteiro na instituição ou desistem de estudar pela falta de alimentação.

O que diz a Unir?

De acordo com a Universidade Federal de Rondônia, o processo de implementação do RU se encontra na terceira e última etapa prevista para seu funcionamento: conclusão do prédio, aquisição de equipamentos e contratação de empresa terceirizada para gestão do RU.

A obra do RU foi retomada em 2021, após várias paralisações motivadas por diferentes circunstâncias, entre elas a desistência de empresas contratadas por meio de processo licitatório. Após a retomada, a obra foi entregue em abril de 2022.

Os processos para aquisição dos equipamentos e mobiliário do RU foram realizados ao longo de 2022 e princípio de 2023, com as entregas pelas empresas sendo realizadas em 2023.

Atualmente estão em curso os prazos legais para que a empresa vencedora assine o contrato. A data limite para assinatura é 19 de dezembro, mas "tratativas estão em curso para que esta etapa seja antecipada", segundo a Unir. Tudo depende da análise dos documentos.

Após a assinatura do contrato a empresa terá 30 dias para iniciar a operação do RU. A Universidade também informa que busca abreviar esse prazo.

“Todos os trâmites para que o RU da UNIR comece a funcionar estão cumpridos. O prédio está pronto e equipado e a licitação foi concluída, restando apenas a empresa vencedora iniciar seu trabalho. Isso tem um prazo legal a ser obedecido, e estamos tratando diretamente com a empresa para que tudo aconteça o mais rápido possível", informou o Diretor de Assuntos Estudantis, da Pró-Reitoria de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantis (Procea), Ricardo de Oliveira.

Vice-reitor no comando

Desde outubro, a Universidade Federal de Rondônia não possui oficialmente um reitor (a). A então reitora, Marcele Pereira, renunciou do cargo por motivos de saúde.

Atualmente, a reitoria da universidade é exercida pelo professor Juliano Cedaro, vice-reitor da Universidade.

Nesta terça-feira, a instituição divulgou que está com um processo aberto para consultar, junto a comunidade acadêmica, nomes indicados para concorrer a reitor (a) e vice-reitor (a). A data prevista para eleição dos novos dirigentes da Instituição é dia 21 de dezembro de 2023, das 9h até as 21h.