Pelo menos três pessoas ficaram gravemente feridas durante a ação, nesta quinta-feira (30). Polícia informou que responsáveis pelo ataque foram mortos.

Por g1

Ataque a tiros deixa mortos e feridos em Jerusalém

Ataque a tiros deixa mortos e feridos em Jerusalém

Um ataque a tiros deixou três pessoas mortas e outras seis feridas em Jerusalém, em Israel, na manhã desta quinta-feira (30), pelo horário local.

O Hamas afirmou que os autores do atentado são membros do grupo terrorista.

Segundo a imprensa israelense, um rabino e duas mulheres estão entre as vítimas do ataque, que ocorre no último dia da prorrogação da trégua entre Israel e Hamas.

A polícia de Jerusalém afirmou que os terroristas, armados com um rifle e uma pistola, dispararam contra civis em um ponto de ônibus na entrada da cidade e, em seguida, foram mortos por policiais israelenses.

Em comunicado, o Hamas afirmou que o ataque terrorista "foi uma resposta natural a crimes sem precedentes que vêm sendo conduzidos pela ocupação", em referência a ações de Israel na Faixa de Gaza.

De acordo com a polícia, uma mulher de 24 anos morreu no local após ser baleada. Um outro homem chegou a ser resgatado com vida, mas morreu no hospital. Informações sobre a terceira vítima que morreu ainda não haviam sido divulgadas até a última atualização desta notícia.

Ataque em Jerusalém deixou uma pessoa morta e 8 feridas, em 30 de novembro de 2023 — Foto: REUTERS/Ronen Zvulun

Segundo a polícia de Israel, os atiradores vieram de Jerusalém Oriental e foram parados por soldados de folga.

A agência interna de inteligência de Israel, Shin Bet, identificou os assassinos como Murad e Ibrahim Namer.

"Este evento prova mais uma vez como não devemos mostrar fraqueza, que devemos falar com o Hamas apenas através da mira (dos rifles), apenas através da guerra", disse o ministro da Segurança Nacional, de extrema direita, Itamar Ben Gvir, no local do ataque.

Armas utilizadas no ataque a civis em Jerusalém em 30 de novembro de 2023 — Foto: Divulgação/Polícia de Israel

Em 2022, a explosão de uma bomba no mesmo ponto de ônibus provocou a morte de um adolescente de 16 anos e deixou outras 18 pessoas feridas.

A Embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém condenou o ataque. Já o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que está em Tel Aviv, afirmou que o tiroteio é um lembrete "da ameaça do terrorismo que Israel e os israelenses enfrentam todos os dias".

Casos anteriores

Esta não foi a primeira vez que Jerusalém foi alvo de um ataque a tiros neste ano. Em janeiro, um ataque terrorista deixou 7 mortos e 10 feridos em uma sinagoga. Um dia depois, outro ataque feriu duas pessoas perto do centro histórico da cidade.

À época, nem o Hamas nem a Jihad Islâmica Palestina reivindicaram a autoria do ataque. Além disso, os casos marcaram uma escalada de violência entre israelenses e palestinos.