Edisandro de Jesus da Costa foi condenado por matar Édrica Moreira em Belém no Pará — Foto: Reprodução
1 de 2 Edisandro de Jesus da Costa foi condenado por matar Édrica Moreira em Belém no Pará — Foto: Reprodução

Edisandro de Jesus da Costa foi condenado por matar Édrica Moreira em Belém no Pará — Foto: Reprodução

O ex-sargento do Exército Edisandro de Jesus da Costa, de 34 anos, condenado por matar a ex-namorada, Édrica Moreira, que tinha 19 anos, planejava sair do país. A informação é da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), que prendeu o homem em Manaus, na noite de terça-feira (12).

Édrica Moreira, que era modelo fotográfica, foi assassinada em novembro de 2021, em Belém, capital do Pará.

Conforme o delegado titular do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Cícero Túlio, a Polícia Civil do Pará teve conhecimento de que o homem estaria morando em Manaus e solicitou apoio da PC-AM para dar cumprimento ao mandado de prisão dele, expedido pelo Poder Judiciário do Pará.

“A Justiça do Pará condenou Edisandro a 16 anos de reclusão pela morte da modelo. No entanto, ele fugiu para o Amazonas. Por isso, a Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (DECP) do Pará solicitou o apoio da PC-AM para localizar o fugitivo e efetuar a captura dele”, destacou o delegado.

Segundo o delegado, a investigação descobriu que Edisandro de Jesus pretendia fugir para Roraima, em direção à Venezuela.

“Identificamos que o veículo utilizado por Edissandro estaria circulando pela cidade e saímos em diligência. Conseguimos prendê-lo na Avenida Nathan Xavier, bairro Novo Aleixo, Zona Morte”, afirmou Cícero Túlio.

O ex-sargento vai ser levado para audiência de custódia e, depois, será encaminhado ao Pará, onde irá cumprir a pena.

O crime

Édrica Moreira foi atingida por três disparos de arma de fogo, quando estava em uma lanchonete com uma amiga, que também ficou ferida. As vítimas foram socorridas e levadas para uma unidade hospitalar. Édrica não resistiu aos ferimentos e morreu três dias depois após o crime.

A Justiça do Pará condenou o homem a 15 anos, 7 meses e 15 dias de prisão pelo crime no dia 31 de outubro.

O ex-militar também foi condenado a 3 meses de detenção por tentativa de homicídio da amiga da vítima que estava com Édrica no dia do crime.

De acordo com a família da vítima, Édrica e Edisandro tiveram um relacionamento de quatro meses e ele apresentava comportamento extremamente agressivo, chegando a ameaçar a família inteira de morte.

Jovem morreu no hospital após dias internada; família diz que ela foi vítima de feminicídio — Foto: TV Liberal/Reprodução

A amiga de Édrica, atingida por uma bala no dia do crime, disse que Edisandro chegou a oferecer R$ 500 a ela para convencer Édrica a voltar com ele. O término do relacionamento ocorreu no dia 28 de outubro de 2021 e o crime foi no dia 11 de novembro.

A amiga contou que havia um coautor, ao descrever a cena do crime, informando que havia uma outra pessoa dirigindo o carro usado para forjar o assalto. A pessoa estava com capuz e saiu da parte de trás do veículo, anunciando o assalto. Édrica ainda chegou a entregar o celular da amiga, mas o homem não levou o aparelho e atirou na amiga. Em seguida, ele disparou quatro vezes em direção à vítima.

Edisandro confessou que alugou o carro para levá-lo até o local do crime.