Por Gerson Camarotti

  • O presidente Lula convocou o prefeito de Maceió, JHC, para discutir o caso Braskem em uma reunião nesta terça-feira.

  • Uma mina de sal-gema da Braskem em Maceió afundou, causando danos ao terreno e resultando no deslocamento da população local.

  • Lula busca compreender a extensão do problema e espera que JHC forneça informações sobre a situação na região afetada.

  • O encontro abordará as dificuldades enfrentadas pelos pescadores de Maceió devido ao afundamento do solo e a crise habitacional para aqueles que precisaram deixar suas casas.

  • A Caixa Econômica Federal deverá ser acionada para ajudar a resolver o déficit habitacional decorrente do desastre.

  • Existe a urgência em transferir a população para áreas mais elevadas de Maceió, visando a segurança da comunidade.

  • No cenário político, há preocupação com uma possível CPI no Senado para investigar o caso Braskem.

  • O governo tenta evitar conflitos entre os senadores Renan Calheiros e Jaques Wagner, aliados do governo, em relação à instalação da CPI, visando manter a estabilidade política.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu entrar pessoalmente no caso Braskem e chamou audiência com o prefeito de Maceió, JHC (PL), para o Palácio do Planalto nesta terça-feira (12).

Uma mina de sal-gema da empresa em Maceió entrou em colapso e afundou o terreno de partes da capital alagoana. A lagoa de Mundaú tomou o terreno. A população teve que deixar a área.

Lula quer entender a dimensão do problema. JHC deverá prestar esclarecimentos sobre a real situação da região afetada.

Alguns dos temas que devem ser tratados devem ser as dificuldades que o afundamento do solo gerou para os pescadores de Maceió e a crise de moradia para aqueles que tiveram que deixar suas casas. A Caixa Econômica Federal deverá ser acionada para essa questão.

Também há uma urgência em enviar a população para partes mais elevadas de Maceió.

CPI da Braskem

No Palácio do Planalto, há uma preocupação com uma CPI que está sendo discutida no Senado para investigar o caso Braskem.

O senador Jaques Wagner (PT-BA), líder do governo no Senado, tem tentado evitar instalação da CPI. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) tem número de indicações mínimas e quer instalar a comissão nesta semana.

O governo tenta evitar o confronto entre Renan, que é um aliado, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), um dos líderes do Centrão e figura política com quem o Planalto não quer atritos. A CPI é vista como uma possibilidade de embates entre os dois parlamentares alagoanos.

Após mina da Braskem afundar em Maceió, autoridades falam em estabilidade do terreno

Após mina da Braskem afundar em Maceió, autoridades falam em estabilidade do terreno