Quarto encontro do “Meetup Acelera” debateu cadeia da Castanha-do-Brasil na Amazônia. — Foto: Patrick Marques/g1 AM
1 de 1 Quarto encontro do “Meetup Acelera” debateu cadeia da Castanha-do-Brasil na Amazônia. — Foto: Patrick Marques/g1 AM

Quarto encontro do “Meetup Acelera” debateu cadeia da Castanha-do-Brasil na Amazônia. — Foto: Patrick Marques/g1 AM

A conexão entre a restauração florestal e os negócios de impacto na Amazônia é o tema que encerra o último encontro do ‘Meetup Acelera - Edição Bioeconomia’ de 2023. O evento acontece na quinta-feira (14), a partir das 14h30, no auditório do Impact Hub Manaus. As inscrições estão disponíveis pela internet.

A abertura terá palestra da gerente sênior de Sustentabilidade na Natura &Co Latam, com foco em Biodiversidade e Amazônia, Priscila Matta e especialista em cadeias da sociobiodiversidade da Inatú Amazônia, Louise Lauschner.

Priscila Matta possui graduação em Ciências Sociais, mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Foi pesquisadora colaboradora do Centro de Estudos Ameríndios (CEstA- USP), do Centro de Trabalho Indigenista (CTI) e do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé).

Louise Lauschner é Relações Públicas pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e especialista em Cadeias da Sociobiodiversidade na iniciativa Produção Sustentável do Idesam.

“Olhar para o restauro florestal na Amazônia como oportunidade de negócio é importante não somente para a conservação e restauração do território, mas também para a valorização da floresta em pé, gerando renda e desenvolvimento para a população local”, disse o líder de Captação e Relacionamento com o investidor do Programa Prioritário de Bioeconomia (PPBio), do Idesam, Paulo Simonetti.

Quatro negócios com atuação direta e indireta na cadeia participam da roda de debates:

  • Biozer da Amazônia, empresa de alimentos funcionais e cosméticos naturais;
  • A startup Cultivo Certo, que atua com reflorestamento inteligente em áreas degradadas por meio de sistema biodegradável;
  • O Instituto Peabiru, OSCIP especializada em processos de fortalecimento da organização social e da valorização da sociobiodiversidade, por meio da conservação;
  • A Onisafra, negócio voltado à distribuição de alimentos orgânicos de agricultores familiares para povos indígenas.

Outras quatro startups participam do momento voltado ao pitch de novos negócios. São elas:

  • Inova Recursos Florestais (AM), desenvolvedora de projetos sustentáveis na Amazônia;
  • Adubo Sustentável (PA), negócio voltado à produção e comercialização de adubos orgânicos e sustentáveis, aliados à prática da educação ambiental por meio da gestão de resíduos;
  • Oka Biotecnologia, focada em bioembalagens;
  • Munguba Soluções Ambientais, que tem prospecção de produção de mantas isolantes termo acústicas a partir da fibra do fruto de Munguba.

O Meetup Acelera

A edição Bioeconomia é uma realização conjunta entre Idesam, Fundação Rede Amazônica (FRAM) e Impact Hub Manaus, que pretende conectar, em cada evento, até 300 pessoas diretamente, sendo 50 de forma presencial e 200 online, com o objetivo de consolidar a conexão entre novos negócios, pesquisadores, investidores, empreendedores e demais atores do ecossistema de bioeconomia na Amazônia.

Em 2023, foram realizadas outros quatro encontros temáticos ligados às cadeias de óleos vegetais (agosto), açaí (setembro), pescado manejo (outubro) e castanha (novembro), todos de forma híbrida, com encontro presencial no auditório do Impact Hub Manaus e transmissão ao vivo pelo G1Amazonas, Youtube e plataforma da FRAM.