Presidente da Câmara afirmou que o 15 de dezembro ficará 'marcado na história' e destacou que foi a primeira reforma tributária aprovada em regime democrático no Brasil. País terá sistema 'moderno, enxuto e eficiente', disse.

Por Gustavo Garcia, g1 — Brasília

  • O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), comemorou neste sábado a aprovação da reforma tributária

  • Lira afirmou que, embora o sistema não seja o 'perfeito', o texto é o possível de ser aprovado pelo Congresso neste momento

  • Ele também destacou que foi a primeira mudança ampla no sistema de impostos aprovada, após décadas de discussão, em um regime democrático

  • O presidente da Câmara acrescentou que, com a reforma, o país passará a ter um sistema 'moderno, enxuto e eficiente', capaz de mudar a economia

  • Ainda na postagem, Lira agradeceu aos deputados e ao Senado, que nas palavras dele, 'aprimorou' o texto

O presidente da Câmara, Arthur Lira (centro), durante a votação da reforma tributária nesta sexta-feira (15) — Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
1 de 1 O presidente da Câmara, Arthur Lira (centro), durante a votação da reforma tributária nesta sexta-feira (15) — Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (centro), durante a votação da reforma tributária nesta sexta-feira (15) — Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), utilizou as redes sociais neste sábado (16) para celebrar a aprovação da reforma tributária pela Casa nesta sexta-feira (15).

Concluída a votação no Congresso Nacional, a proposta vai para promulgação, ato que tornará o texto parte da Constituição. Entre os principais pontos do texto, estão a criação do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA); de uma cesta básica nacional, isenta de impostos; e do Imposto Seletivo, chamado de "imposto do pecado".

Na rede X, antigo Twitter, Arthur Lira disse que a data de 15 de dezembro ficará marcada na história do Brasil e destacou que foi a primeira reforma ampla aprovada em um regime democrático, após décadas de discussões.

Lira afirmou que, com a aprovação, o Brasil terá um sistema tributário "moderno, enxuto e eficiente", que "mudará" a economia do país. Na avaliação do presidente da Câmara, o texto aprovado não é "perfeito", mas o "possível".

"É a primeira [reforma] realizada num regime democrático em que todas as correntes de pensamento puderam expressar suas opiniões. Depois de mais de 40 anos, o país terá um sistema tributário moderno, enxuto e eficiente que mudará à economia do país. Não é o sistema perfeito, mas aquele possível de ser aprovado", declarou.

Ainda na postagem, Lira agradeceu aos colegas de Câmara e ao Senado, que, nas palavras do parlamentar, "aprimorou" o texto cuja tramitação iniciou na Casa que preside.

Câmara aprova a reforma tributária; entenda

Câmara aprova a reforma tributária; entenda

Simplificação dos impostos

Esta primeira etapa da reforma trata de impostos cobrados sobre o consumo, ou seja, aqueles pagos no ato da compra. O governo ainda quer, no futuro, modificar o modelo de cobrança de impostos sobre a renda.

Em linhas gerais, a reforma unifica impostos sobre o consumo em um Imposto sobre Valor Agregado (IVA). O IVA será dual: um para os impostos estaduais, outro para os federais.

A alíquota do IVA ainda não está definida, mas deve girar em torno de 25%, uma das maiores do mundo.

Com a reforma, o governo não busca diminuir nem aumentar a carga tributária vigente no país. Vai se manter a mesma.

A diferença, segundo os defensores do texto, é que o modelo vai ficar mais simples, a cobrança será mais eficiente e o desperdício das empresas será menor. Isso porque, hoje, o modelo tributário brasileiro é considerado caótico e gerador de distorções.