Nesta terça-feira (9), um homem de 62 anos foi eletrocutado após sair de um veículo que tinha sido atingido por um cabo energizado na cidade de São Paulo. Houve alagamentos e quedas de árvores.

Por g1 SP e TV Globo — São Paulo

Homem é eletrocutado durante temporal em São Paulo

Durante chuva com raios, a regra é clara: se estiver dentro de um carro, mantenha os vidros fechados e não entre em contato com as partes metálicas do veículo. A orientação é dada por autoridades e especialistas e encontra explicação na ciência: trata-se do princípio da Gaiola de Faraday.

Durante a chuva que atingiu a cidade de São Paulo nesta terça-feira (9), um homem de 62 anos morreu após sair do seu carro atingido por um cabo da rede elétrica que se rompeu. A mulher que estava com ele, de 60 anos, não saiu do veículo, e foi socorrida sem ferimentos (leia mais abaixo).

Segundo o Instituto de Física da USP (IFUSP) de São Carlos, "quando uma casca esférica condutora é carregada, toda a carga fica concentrada na superfície externa, e o campo elétrico dentro da casca é nulo. A região interna é completamente livre de influências elétricas externas".

Exemplificando: quando um carro — a gaiola — é atingido por raios ou qualquer tipo de descarga elétrica de alta intensidade, essa energia fica acumulada na parte externa do veículo; internamente, não há perigo se a pessoa não tocar as partes metálicas.

O princípio recebeu esse nome porque, em 1836, o físico britânico Michael Faraday construiu uma gaiola para demonstrar na prática a teoria.

O professor Antonio Martins Figueiredo Neto, do IFUSP, explica que a corrente elétrica só existe se houver um diferencial: "É o caso de a pessoa pisar no chão, porque a terra está a um potencial diferente do carro e, assim, fecha o circuito, gerando a descarga elétrica".

"Pode ocorrer de uma corrente passar pelo carro se os pneus entrarem em contato com água com sal (íons) ou metais", completa. Por isso, a recomendação de, mesmo dentro do carro, não tocar as partes metálicas.

Cena da Gaiola de Faraday no filme 'O Aprendiz de Feiticeiro' — Foto: Reprodução/Filme 'O Aprendiz de Feiticeiro'

Como ficar seguro em dias de tempestade

A Defesa Civil do Estado de São Paulo lista uma série de dicas de segurança para adotar em dias de tempestade com raios:

  • Evite lugares abertos, como estacionamentos, praias e campos de futebol;
  • Abrigue-se em casa, edifício ou em instalação subterrânea, como o Metrô;
  • Se estiver no carro, mantenha os vidros fechados, sem contato com as partes metálicas do veículo;
  • Caso não encontre um abrigo por perto, fique agachado com os pés juntos, curvado para frente, colocando as mãos nos joelhos e a cabeça entre eles até a tempestade passar;
  • Mantenha distância de objetos altos e isolados, como árvores, postes, quiosques, caixas d’água, bem como de objetos metálicos grandes e expostos, como tratores, escadas e cercas de arame;
  • Evite soltar pipas, carregar objetos, como canos e varas de pesca e andar de bicicleta, motocicleta ou a cavalo;
  • Mantenha distância de aparelhos e objetos ligados à rede elétrica, como TVs, geladeiras e fogões;
  • Fique afastado de janelas, tomadas, torneiras e canos elétricos;
  • Evite tomar banho durante a tempestade.

Homem de 62 anos morreu

Nesta terça-feira (9), um homem de 62 anos foi eletrocutado após ser atingido por um cabo energizado na Rua Pedro de Toledo, em Moema, Zona Sul da capital.

Uma árvore caiu sobre o cabo da rede elétrica, que atingiu o carro onde estava o homem. Pessoas que acompanhavam a cena pediram para que ele não saísse do veículo, mas ele deixou o carro e foi atingido pela descarga elétrica.

O motoboy Robson Oliveira dos Santos testemunhou o momento em que o homem foi atingido pelo cabo em São Paulo.

“Chamei o bombeiro do hospital para tentar ajudar os dois [que estavam no carro], só que, quando a gente chegou, o bombeiro pediu bastante para ele não sair do carro. Aí ele saiu. Eu estava pedindo para ela não sair também, e a gente conseguiu que ela não saísse. Aí falei para ele: ‘Pega o extintor, vamos jogando no carro para não pegar fogo no carro”. Deu certo, mas infelizmente [houve] uma vítima”.

E completa: "Ele saiu logo, aí o cabo energizou. Na hora, ele caiu duro, não deu nem tempo. Tinha muito fogo aqui, aí o cabo caiu, estava tudo energizado”.

A vendedora ambulante Maria de Lourdes diz ter percebido o medo do motorista. “Estourou ali e pegou fogo, dando aqueles pipoco, aí o fio quebrou e enrolou no carro dele. Ele deu ré. Quando ele deu ré, ele não poderia sair mais. Mas ele ficou com medo. Nós falamos assim: ‘Corre, corre, chega mais para lá!’. Mas não tinha como.”

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, quatro viaturas atuaram no atendimento. Uma mulher que também estava no carro não deixou o veículo e não morreu. Ela foi levada ao Hospital do Servidor consciente. O caso foi registrado como morte suspeita pelo 27º DP, que requisitou perícia.