Apresentadora do Conexão GloboNews.

Operação investiga uso do aparelho estatal da Agência Brasileira de Inteligência para monitorar ilegalmente autoridades durante o governo Bolsonaro. Alexandre Ramagem, ex-diretor da Abin, é alvo de buscas nesta quinta (25).


Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Rodrigo Maia e Camilo Santana teriam sido alvos de monitoramento ilegal da Abin — Foto: Reprodução

Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Rodrigo Maia e Camilo Santana teriam sido alvos de monitoramento ilegal da Abin — Foto: Reprodução

Integrantes da Polícia Federal envolvidos na operação desta quinta-feira (25) foram informados de que o aparelho estatal da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) foi usado para monitorar e investigar ilegalmente governadores e até integrantes do Supremo Tribunal Federal.

Segundo fontes que estão a par da apuração, a Abin teria investido no monitoramento ilegal dos ministros Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia e do ex-governador Camilo Santana, do Ceará, hoje ministro da Educação de Lula, entre outros.

A operação desta quinta (25) foi chamada de "Vigilância Aproximada" e é um desdobramento da operação "Primeira Milha", iniciada em outubro de 2023 para investigar o suposto uso criminoso da ferramenta "FirstMile".

A suspeita é que houve uso de ferramentas de geolocalização em dispositivos móveis (celulares e tablets, por exemplo) sem autorização judicial e sem o conhecimento do próprio monitorado.

Ramagem é um dos alvos. Há buscas contra ele no gabinete do parlamentar na Câmara dos Deputados e no apartamento funcional da Câmara hoje ocupado por ele.

PF faz buscas em nova operação contra suposta espionagem ilegal na Abin

PF faz buscas em nova operação contra suposta espionagem ilegal na Abin

Este post está em atualização.