Navalny, de 47 anos, era um ex-advogado que ficou conhecido ao fazer acusações de corrupção ao governo do presidente Vladimir Putin. Ele se apresentava como um político liberal e principal adversário do atual presidente. O opositor morreu na última sexta-feira (16).


Alexei Navalny, oposicionista russo, e sua mulher Yulia — Foto: Shamil Zhumatov/Reuters

Alexei Navalny, oposicionista russo, e sua mulher Yulia — Foto: Shamil Zhumatov/Reuters

A causa da morte não foi informada. O governo russo disse não ter nenhuma informação a respeito.

Yulia afirmou também que continuará o trabalho dele contra o governo Putin e que os assassinos de seu marido serão revelados.

"Vou continuar a batalhar contra o Kremlin com mais fúria do que antes", disse Yulia também.
"A minha mensagem na situação da minha morte é simples: não desistir. Escutem, tenho algo óbvio para dizer, vocês não podem desistir. Se eles decidirem me matar, é porque somos incrivelmente fortes".

Ele também diz que seus apoiadores precisam usar a força, para não desistir, "para lembrar que temos poder, que somos oprimidos pelos maus. Não percebemos a força que temos. O necessário para o triunfo do mal é que os bons não façam nada. Então, não fiquem inativos".

Opositor de Putin

Navalny, de 47 anos, era um ex-advogado que ficou conhecido ao fazer acusações de corrupção ao governo do presidente Vladimir Putin. Ele se apresentava como um político liberal e principal adversário do atual presidente.

Na década de 2010, por exemplo, liderou um movimento contra Putin que levou milhares de pessoas às ruas do país. Já em 2018, ele convocou outra manifestação chamada de "greve de eleitores" após Putin ser eleito.

O opositor do atual governo foi sentenciado à prisão até completar 74 anos por acusações que, segundo ele, foram forjadas para mantê-lo afastado da política.