L

Mariana recebe convite do União Brasil, mas diz que permanece no Republicanos; veja mais bastidores políticos

A ex-deputada Mariana Carvalho, que está em Vilhena organizando nominatas para as eleições municipais, confirmou que recebeu o convite das executivas nacional e regional para se filiar ao União Brasil. Mas, ela diz que permanece no Republicanos, onde tem a certeza de sua candidatura à Prefeitura de Porto Velho. Mariana já tem apoio certo de grupo poderoso, como do prefeito Hildon Chaves (PSDB), podendo ainda ganhar adesão do governador Marcos Rocha (União Brasil). Em Porto Velho, apesar da rusga entre o prefeito e o chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, ela prestigiou Fórum de Prefeitos e Vereadores, organizado pela Casa Civil do Governo Marcos Rocha.

Fernando fora do União

Por outro lado, o deputado federal Fernando Máximo está com o pé fora do União Brasil. Ele afirmou em Brasília durante um “petit comité” que é candidato a prefeito, independente do posicionamento do União Brasil. Na legenda, apesar do forte apoio do chefe da Casa Civil para sua eleição a Câmara Federal, Fernando não tem a simpatia de Gonçalves, hoje o grande mago político do Governo Marcos Rocha. Júnior tem palavra e garantiu que sua candidata a prefeita de Porto Velho é a ex-deputada Mariana Carvalho, e não Fernando Máximo.

Assumiu a viúva

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, finalmente assumiu o casamento com o PSDB. Ele está filiado ao partido há vários anos, mas relutava em ascender a presidência por causa das dívidas deixadas por gestões passadas relativas a campanhas eleitorais. Com a proximidade das eleições municipais e o desejo de indicar o vice de Mariana Carvalho, filiada ao Republicanos mas com o pé no União Brasil, Hildon resolveu marcar posição na direção do tucanato rondoniense. Ele não esconde a preferência pelo advogado Fabrício Jurado, secretário Geral de Governo (SGG), uma espécie de Casa Civil da prefeitura, para encabeçar chapa com Mariana Carvalho, apesar da relutância do seu irmão, Maurício Carvalho.

A traição no PP

O ex-senador Ivo Cassol não assumiu o PP apenas com suas próprias forças. Ficha suja, ele teve o apoio da deputada federal Cristiane Lopes. Filiada ao União Brasil, ela prometeu retornar aos Progressistas tão logo abra a janela partidária para reforçar o projeto de poder cassolista. Cristiane e deputado Lucas Torres esqueceram do apoio incondicional da ex-deputada Jaqueline Cassol e do ex-secretário-geral do partido, Luiz Paulo, em suas disputas eleitorais.

Só ficha suja

Aliás, o ex-governador Ivo Cassol não é o único político rondoniense, condenado por corrupção, que tenta a todo custo retornar ao poder. Natan Donadon, primeiro deputado federal preso no exercício do mandato, foi nomeado presidente do AGIR no estado e tenta retornar ao Congresso.

Corrupção na Assembleia deu cana

Para quem não lembra, Natan Donadon foi denunciado pelo MP de Rondônia e condenado pelo STF por comandar um grande esquema de corrupção na Assembleia Legislativa de Rondônia quando seu irmão, Marcos Donadon era presidente. Aliás, Natan comanda o AGIR rondoniense sendo assessorado por outro ex-dirigente da Casa de Leis, e atualmente presidente do Sindafisco, Mauro Roberto. O sindicalista é tesoureiro da legenda.

Condenado também

Outro famoso condenado pelo STF e que também comanda partido em Rondônia é Nilton Balbino, vulgo “Nilton Capixaba”, dirigente maior do PRD. Ele integrou a chamada Máfia dos Sanguessugas, que desviava recursos de emendas parlamentares destinadas à compra de ambulâncias para prefeituras municipais. Foi condenado pelo STF.

Rondoniagora.com