O entorno do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) atribuiu a crise que derrubou as ações da Petrobras, nos últimos dias, à guerra já conflagrada entre o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e o presidente da estatal, Jean Paul Prates.

As duas autoridades se desentendem desde o início do governo, e essa queda de braço é vista atualmente por ministros e assessores próximos de Lula como fator de instabilidade.

O receio é de que a disputa possa respingar na imagem do governo.

Segundo interlocutores do Executivo e da Petrobras, a diretoria da estatal – sob a batuta de Prates – vinha trabalhando para reter apenas 50% dos dividendos extraordinários. O entendimento, inclusive, vinha sendo passado ao mercado financeiro.

Presidente da Petrobras diz que Lula não deu ordem sobre dividendos e vê 'muita espuma' na discussão

Presidente da Petrobras diz que Lula não deu ordem sobre dividendos e vê 'muita espuma' na discussão

A decisão de reter 100% e distribuir apenas os dividendos ordinários foi tomada sob influência dos conselheiros indicados pelo Ministério de Minas e Energia e pela Casa Civil.

Por esta razão, o próprio Prates se Jean Paul Prates absteve na votação.

Fontes do Planalto afirmam que Lula já foi alertado que o conflito entre o ministro de Minas e Energia e o presidente da principal estatal controlada pelo governo precisa acabar.

Lula já pensou em trocar Prates no ano passado. Em discussões com assessores, foi inclusive levado a ele o nome da número 2 da Casa Civil, Miriam Belchior.

O presidente da República, no entanto, disse que não queria tirar Miriam da Casa Civil.

Petrobras perde R$ 55 bilhões em valor de mercado após divulgação do balanço financeiro de 2023

Petrobras perde R$ 55 bilhões em valor de mercado após divulgação do balanço financeiro de 2023