Novo boletim extraordinário divulgado pela Defesa Civil do Espírito Santo na madrugada desta segunda-feira (25) traz um aumento no número de mortes decorrentes das fortes chuvas que atingiram o Sul do estado no final de semana. Foram registradas, até o momento, 19 mortes, sendo 17 em Mimoso do Sul e 2 em Apiacá. Seis pessoas estão desaparecidas. A tragédia da chuva também deixou 8 pessoas mortas no Rio de Janeiro.

Ao todo, 7.287 pessoas estão desalojadas (que foram para residência de familiares ou amigos), e 411 estão desabrigadas, isto é, perderam o imóvel e foram encaminhados a abrigos públicos.

Helena Matos e o filho em meio ao cenário de destruição causado pela chuva em Mimoso do Sul, no Espírito Santo — Foto: Fernando Madeira/Rede Gazeta

O coordenador estadual adjunto da Defesa Civil, o tenente-coronel Benicio Ferrari Junior, informou que em Mimoso do Sul a água já está baixando e, com isso, as equipes estão conseguindo acessar mais áreas.

"Nesse trabalho de acessar mais locais, a contagem de óbitos cresceu. Vamos seguir nos trabalhos para acessar todas as vítimas”, diz.

Nesta segunda-feira (25) até domingo algumas pessoas ainda estavam ilhadas. Em Presidente Kennedy algumas ocorrências também foram registradas.

“Com as águas baixando, diminui muito essa demanda por pessoas a serem resgatadas. Tem algumas localidades como Santo Antônio de Muqui, Conceição de Muqui, Ponte de Itabapoana, esses locais ainda estão com dificuldade de acesso por terra então a gente manteve bastante ontem algumas ações de busca e salvamento”, explicou o coordenador.

Carros ficaram revirados em Mimoso do Sul após fortes chuvas no Espírito Santo — Foto: Fernando Madeira/A Gazeta

Nesta segunda-feira (25), os trabalhos estão voltados para a ajuda humanitária e em fazer com que água e comida chegue até as pessoas.

"A pressão por salvamento diminuiu bastante. Então a gente vai ter ainda um trabalho de busca porque tem pessoas desaparecidas, a gente tá fazendo um pente fino em algumas regiõestivo. A gente está focando no restabelecimento de energia, água e ajuda humanitária. Em Mimoso os alimentos lá foram todos perdidos na cidade, já enviamos vários caminhões, carretas”, relatou Ferrari.

Carro ficou destruído em Mimoso do Sul no Espírito Santo, bandeira do Brasil — Foto: Fernando Madeira/A Gazeta

'Entreguei nas mãos de Deus', diz vítima


Moradores de Mimoso do Sul relataram a situação de desespero durante a chuva que atingiu a cidade. A água chegou no teto das casas.

Romildo é morador da cidade e contou à TV Gazeta que os vizinhos se ajudaram no momento da chuva, mas muitas pessoas, ainda assim, não conseguiram salvar móveis, roupas e alimentos das residências.

"Eu estava em casa tentando socorrer alguma coisa. Meus documentos eu consegui tirar e levar para a casa da minha irmã, que mora no sengundo andar. Em 10 minutos, a água subiu um metro e não teve como, ela acabou me dominando, tive que subir, não pude ficar. Entreguei nas mãos de Deus porque é uma coisa que a gente não pode fazer nada. A gente fica triste, mas Deus dá força pra gente recomeçar tudo de novo", relatou Romildo.

Água alcançou segundo andar de casa ao lado de rio em Mimoso do Sul, no Espírito Santo — Foto: Reprodução/TV Gazeta

Apiacá tem aproximadamente 7 mil habitantes e está com mais pessoas fora de casa. Por lá são 4 mil desalojados e 332 desabrigados.

Um morador da cidade, que fica próxima à Mimoso, relatou, emocionado, que ajudou a salvar o neto de 9 anos durante a enchente. "Não tenho palavras para falar. Pedi carro e casa. Estou usando roupa que Deus deu pra gente", disse Sinval Ferreira o morador.

Em seguida, aparecem Bom Jesus do Norte (3.000 desalojados e 64 desabrigados); Vargem Alta (269 desalojados e 3 desabrigados) e Mimoso do Sul (18 desalojados e 12 desabrigados).

Duas pessoas morreram em Apiacá e acesso a cidade ainda está complicado

Duas pessoas morreram em Apiacá e acesso a cidade ainda está complicado

Cidade sem acesso

Os acessos a cidade de Apiacá estão comprometidos. Uma cratera se abriu na rodovia ES-297 e a cidade decretou de emergência. As pessoas só conseguem chegar à cidade dando uma volta pela cidade de Bom Jesus do Itabapoana, já no Rio de Janeiro.

A Polícia Científica (PCIES) informou que os corpos estão sendo levados para o Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim.

Duas equipes do Departamento Médico Legal (DML) Vitória foram deslocadas para dar apoio. Um DML improvisado foi montado na capela mortuária de Mimoso do Sul para o recebimento inicial das vítimas.