“Em virtude dos gravíssimos acontecimentos ocorridos na tarde desta segunda-feira (8), decorrentes de um conflito armado entre organizações criminosas, que levaram ao trágico falecimento do discente Bernardo V. Paraiso, aluno de Ciências Biológicas da UFRRJ, a Administração Central decidiu pela suspensão de todas as atividades acadêmicas e administrativas presenciais no dia 9, (terça-feira), dos turnos diurno e noturno, no câmpus de Seropédica”, postou a universidade.

Família baleada

Uma mulher e dois filhos dela, uma menina de 3 anos e um menino de 1, também foram atingidos no tiroteio. Eles deram entrada no Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes (HMAPN), em Duque de Caxias. Nesta manhã, a mãe, atingida na perna esquerda, e o bebê, atingido no joelho esquerdo, já haviam recebido alta, mas a menina seguia internada.

A garota foi baleada duas vezes: um projétil ficou alojado na região cervical, e um outro entrou pelo ombro esquerdo e parou na região do tórax.

“A direção do HMAPN informa que a paciente segue internada e em acompanhamento pela neurocirurgia e equipe interdisciplinar. Seu quadro de saúde é regular”, informou o hospital na manhã desta terça.

Bernardo V. Paraiso, estudante da Rural morto em tiroteio em Seropédica — Foto: Reprodução

Testemunha quer sair de Seropédica

Em entrevista ao g1, um dos alunos da UFRRJ contou que a violência vem aumentando nos últimos anos e que seu maior sonho é terminar seu curso e deixar Seropédica.

"Meu maior desejo hoje é ir embora daqui", contou o estudante.

"Eu sou de outro estado. Estou longe da minha família, cursando a faculdade que sempre sonhei, em um curso que queria, correndo atrás do que eu sempre almejei. Era para ser um sonho. Mas está se tornando um pesadelo", comentou o estudante.

Tiroteio deixa dois mortos no Centro de Seropédica — Foto: Arquivo pessoal

O tiroteio nesta segunda aconteceu no meio da tarde, no Centro de Seropédica, em uma região de grande circulação, com muitas lojas e restaurantes.

"Todo mundo anda por ali, pra pegar ônibus, fazer compras, ir na academia - eu mesmo faço aquele caminho todos os dias. Impossível não se imaginar naquela mesma situação".

"Hoje definitivamente foi um terror. Estava saindo pra ir pra faculdade. O tiroteio começou bem perto de onde eu moro, voltei correndo para casa", contou o estudante, que conhecia Bernardo da faculdade.

"A gente teve a perda do Bernardo. Dói muito, mesmo não tendo convivido com ele, a gente conhece, se vê pela faculdade. Estamos todos na mesma situação. Poderia ser qualquer um", completou.

Cidade já foi segura, diz morador

Tiroteio deixa estudante morto e duas crianças baleadas no Centro de Seropédica

Tiroteio deixa estudante morto e duas crianças baleadas no Centro de Seropédica

Segundo o aluno da UFRRJ, que mora em Seropédica há 10 anos, a região sempre foi vista como um local calmo e seguro, dentro da Baixada Fluminense. Contudo, o poder dos criminosos só vem aumentando ao longo dos anos.

Para ele, a falta de segurança afeta a vida da maioria dos estudantes e moradores da cidade.

"A grande maioria dos alunos reside aqui no Centro de Seropédica. A gente se sente inseguro. Fica com medo de sair, evita circular à noite. E, depois do episódio de hoje, até de dia", comentou.

"Seropédica, apesar de tudo, em comparação com outras localidades da Baixada ainda era vista como um lugar 'seguro'. Mas isso acabou de uns anos para cá e só tá piorando", disse.

O morador lembrou ainda que grupos criminosos chegam a circular pela cidade usando uniformes táticos e armas na mão.

"Do ano passado pra cá, ficou mais evidente. Com alguns deles circulando em bares armados de fuzil, com uniforme tático e tudo mais. Aí o momento de lazer, não só do estudante como do morador também, não acontece mais".

"Tá um cenário de guerra", completou.