Os casos confirmados registrados chegam a 456.427. Desses, 562 são considerados graves.

Ainda conforme os dados da Secretaria Estadual da Saúde, 485 óbitos estão em investigação e 1.011.380 de notificação.

Capital

De acordo com o painel da SES, a capital registra 34 óbitos pela doença neste domingo (7). O número de casos confirmados na cidade chegou aos 123.543.

Segundo um boletim de arboviroses da gestão municipal, publicado no doa 1º de abril, 76 bairros da capital estão em epidemia de dengue, ou seja, registram mais de 300 casos a cada 100 mil habitantes. São eles:

BAIRROS DE SP EM EPIDEMIA DE DENGUE

Água Rasa Cangaíba Ipiranga Lapa Raposo Tavares Tucuruvi
Alto de Pinheiros Capão Redondo Itaim Paulista Limão Rio Pequeno Vila Curuçá
Anhanguera Carrão Itaquera Mandaqui Sacomã Vila Formosa
Aricanduva Casa Verde Jaçanã Mooca Santa Cecília Vila Guilherme
Artur Alvim Cidade Ademar Jaguara Morumbi Santana Vila Jacuí
Barra Funda Cidade Dutra Jaguaré Pari São Domingos Vila Leopoldina
Belém Cidade Líder Jaraguá Parque Do Carmo São Lucas Vila Maria
Bom Retiro Cidade Tiradentes Jardim Ângela Penha São Mateus Vila Matilde
Brás Ermelino Matarazzo Parelheiros Perdizes São Miguel Vila Medeiros
Brasilândia Freguesia Do Ó, Jardim Helena Perus São Rafael Vila Prudente
Butantã Grajaú Jardim São Luiz Pinheiros Sapopemba Vila Sônia
Cachoeirinha Guaianases José Bonifácio Pirituba Socorro
Campo Limpo Iguatemi Lajeado Ponte Rasa Tremembé

Diante da chegada das novas doses da vacina, a prefeitura anunciou, no último dia 29, que começaria uma campanha de vacinação na escolas da cidade.

  1. AMA/UBS Águia de Haia
  2. UBS Itaquera
  3. UBS Parada XV de novembro
  4. UBS Ursi Conjunto AE Carvalho
  5. UBS Vila Carmosina
  6. UBS Vila Nossa Senhora Aparecida
  7. UBS Vila Ramos - DR. Luiz Augusto de Campos
  8. UBS Vila Regina
  9. UBS Vila Santana
  10. AMA/UBS Vila Piauí
  11. UBS Vila Jaguara

Itaquera foi selecionada por concentrar o maior número de casos absolutos da doença na capital e a Vila Jaguara, por ser o bairro com a maior incidência de dengue por 100 mil habitantes, segundo informações da Secretaria Municipal da Saúde.

O público-alvo saõ de crianças entre 10 e 14 anos, conforme estabelecido pelo Ministério da Saúde. A pasta, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação, vai orientar os pais e responsáveis que dirijam-se com as crianças para as UBSs de referência para a vacinação.

Segundo a Secretaria estadual da Saúde, por determinação do Ministério da Saúde, 7.940 doses da vacina contra dengue, disponibilizadas pelos 11 municípios da região do Alto do Tietê e que vencerão em 30 de abril, foram remanejadas para a capital paulista.

O Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) do estado de São Paulo ainda aguarda do Ministério da Saúde a definição da data em que as 266.281 novas doses do imunizante devem ser enviadas para distribuição a 50 municípios, conforme anunciado pelo órgão federal na semana passada.

Novas doses do imunizante

No dia 31 de março, o Ministério da Saúde divulgou uma lista de municípios que devem receber novas doses da vacina contra a dengue. A capital e outros 49 municípios do estado de SP estão entre os selecionados para receber os imunizantes em abril ainda sem data definida.

Os 266.281 imunizantes que serão destinados ao estado de SP devem ser utilizados para aplicação de primeiras doses (D1). Futuramente, novas levas serão enviadas para completar os esquemas vacinais, que consistem em duas doses separadas por um intervalo de três meses.

Uma vez entregues ao estado, as doses serão repassadas para os municípios, que devem estipular seus próprios calendários e estratégias para a vacinação.

Segundo o Ministério da Saúde, 668 mil doses distribuídas em fevereiro têm como vencimento o dia 30 de abril. Este lote terá prioridade, e os estados dos cerca de 500 municípios beneficiados na primeira leva devem contabilizar as doses ainda não aplicadas e redistribuí-las para cidades onde haja demanda, dentro de seus territórios.

Como saber se você está com dengue e se é grave

Cuidados contra a dengue

Evite qualquer reservatório de água parada sem proteção em casa. O mosquito pode usar como criadouros grandes espaços, como caixas d'água e piscinas abertas, até pequenos objetos, como tampas de garrafa e vasos de planta.

Coloque areia no prato das plantas ou troque a água uma vez por semana. Mas não basta esvaziar o recipiente. É preciso esfregá-lo, para retirar os ovos do mosquito depositados na superfície da parede interna, pouco acima do nível da água. Isso vale para qualquer recipiente com água.

Pneus velhos devem ser furados e guardados com cobertura ou recolhidos pela limpeza pública. Garrafas pet e outros recipientes vazios também devem ser entregues à limpeza pública. Vasos e baldes vazios devem ser colocados de boca para baixo. Limpe diariamente as cubas de bebedouros de água mineral e de água comum. Seque as áreas que acumulem águas de chuva. Tampe as caixas d’água.