O médico José Luciano Pontes registrou um Boletim de Ocorrência (BO) e denunciou nas redes sociais, na última quinta-feira (4), que o filho de 5 anos, diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA), foi vítima de discriminação por duas funcionárias do parque de diversão Vila Trampolim, localizado no shopping Park Sumaúma, Zona Norte de Manaus. O caso teria ocorrido na quarta-feira (3).

Segundo o pai da criança, as atendentes teriam retirado das mãos do menino um cubo da cor verde-limão que pertencia à 'piscina de cubos' do estabelecimento. Conforme o médico, devido à condição autista, a criança demonstra uma rigidez específica ao brinquedo.

"Apenas um dia após o dia de Conscientização do Autismo foi diferente. Fomos abordados mais rispidamente, desta vez com ajuda de outra monitora, retiraram de nossas mãos o cubo verde-limão, rejeitaram a brincadeira que outrora deixava meu filho feliz, "to feliz papai", como ele sempre exalta", explicou o médico em declaração nas redes sociais.

Ainda de acordo com José Luciano, as funcionárias foram abordadas pelos familiares para entenderem a condição clínica da vítima, mas, segundo o médico, "esses argumentos não foram suficientes".

Em nota, a Vila Trampolim informou que lamenta o ocorrido e diz que as providências quanto à situação já estão sendo tomadas, a fim de cumprir todos os procedimentos do estabelecimento.

"A Vila Trampolim lamenta o ocorrido na Unidade Sumaúma Park Shopping no dia 03/04 e informa que a segurança é uma prioridade em seus parques, assim como o atendimento com cortesia e empatia", disse a loja.

A Vila Trampolim também afirmou que, a partir deste caso, foram identificadas oportunidades em treinamento dos funcionários para tratar clientes com essas condições.

Ao g1, o médico disse que imagens de segurança do local serão solicitadas, ainda nesta segunda-feira (8), para fazerem parte do processo. O BO foi registrado no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP).