Houve reação à operação, com faixas interditadas na Avenida Brasil, na Linha Vermelha e na Linha Amarela

Porto Velho, RO - Uma operação da Polícia Militar realizada nesta terça-feira 11 no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro, deixou ao menos três pessoas mortas (um policial e outros dois homens).

De acordo com a PM, o agente que morreu é Jorge Galdino Cruz, integrante do Batalhão de Operações Policiais Especiais, o Bope. Os outros dois homens, segundo a corporação, seriam seguranças do tráfico que resistiram à chegada das equipes.

Segundo a TV Globo, um dos suspeitos mortos é Francisco Jorge da Conceição de Freitas, o Divo, que trabalha para Zequinha, um gerente do tráfico da Maré.

Também há informações de que outro policial ficou ferido e foi levado a um hospital.

Houve reação à operação policial, com a interdição de faixas da Avenida Brasil, da Linha Vermelha e da Linha Amarela, três das vias expressas mais importantes do Rio de Janeiro. No início da tarde, apenas a Avenida Brasil seguia com uma faixa bloqueada no sentido da zona oeste.

Um ônibus também foi incendiado na Avenida Brasil, na altura da Fundação Oswaldo Cruz, segundo a Rio Ônibus.

A ação também interrompeu serviços públicos. A Secretaria Municipal de Saúde informou que o Centro Municipal de Saúde Vila do João e as Clínicas da Família Adib Jatene eAugusto Boal suspenderam o funcionamento para a segurança de funcionários e pacientes.

A Secretaria Municipal de Educação afirmou que houve impacto no funcionamento de 40 escolas do Complexo da Maré. Já a secretaria estadual informou que duas escolas estaduais foram fechadas nesta manhã, prejudicando 900 estudantes.

Ainda de acordo com a PM, dois homens foram presos durante a operação, que conta com a participação do Bope, da Subsecretaria de Inteligência e do 22° BPM. Os agentes também conseguiram recuperar pelo menos quatro carros roubados na comunidade e informaram ter encontrado um espaço usado para endolação de entorpecentes.

Fonte: Carta Capital