Ao longo do dia, o órgão, que é controlado pelo Hamas, chegou a falar em 500 mortos; mas, até a última atualização desta reportagem, não havia consenso sobre o número de vítimas. Autoridades de Gaza atribuem ataque a Israel, e o país afirma que o responsável é o grupo Jihad Islâmica.

Por g1

Centenas morrem em ataque a hospital na cidade de Gaza

Centenas morrem em ataque a hospital na cidade de Gaza

Um bombardeio matou centenas de pessoas em um hospital na Faixa de Gaza nesta terça-feira (17), segundo o Ministério da Saúde local (veja mais no vídeo acima). O órgão é subordinado ao grupo terrorista Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007.

  • O Hamas disse que partiu de Israel o ataque contra o hospital Ahli Arab. Localizado na cidade de Gaza, o edifício atendia pacientes e abrigava muitos civis que não tinham onde dormir (veja mapa ao final desta reportagem).
  • As Forças de Defesa israelenses, no entanto, alegaram que a explosão foi causada por um foguete lançado pela Jihad Islâmica, grupo terrorista ligado ao Hamas. Segundo essa versão, o alvo original do disparo seria o território de Israel, mas o artefato acabou atingindo o hospital.
  • A Jihad Islâmica, por sua vez, negou ser responsável pela ação.

Ao longo do dia, o Ministério da Saúde de Gaza chegou a falar em 500 mortos, mas, até a última atualização desta reportagem, não havia um consenso sobre o número de vítimas.

  • Inicialmente, o órgão publicou um comunicado afirmando que 200 pessoas morreram no bombardeio.
  • Em um segundo momento, o porta-voz do ministério, Ashraf al-Qidra, deu entrevista a uma TV e disse que o total de vítimas chegava a 500.
  • Já um porta-voz da Defesa Civil de Gaza afirmou que havia 300 mortos. O chefe do órgão disse que as equipes ficaram sobrecarregadas e não conseguiram atender adequadamente aos chamados de emergência.
  • Posteriormente, o Ministério da Saúde de Gaza informou, no Telegram, que havia centenas de pessoas mortas, e não 500.

Tanto o Ministério de Saúde quanto a Defesa Civil de Gaza são controlados pelo Hamas. Em um comunicado, o grupo terrorista citou centenas de vítimas sob os escombros. O hospital Ahli Arab é administrado pela Igreja Anglicana e, no sábado (14), já tinha sido atingido por foguetes.

Países e autoridades árabes condenaram o bombardeio desta terça: o Irã, por exemplo, falou em "crime de guerra selvagem"; a Autoridade Nacional Palestina citou "genocídio" e "catástrofe humanitária"; e o Egito definiu o ataque como "uma violação perigosa do Direito Internacional Humanitário". Atacar hospitais é crime de guerra, segundo o direito internacional.

Os mais recentes conflitos na região começaram em 7 de outubro, quando o Hamas disparou milhares de foguetes contra Israel a partir da Faixa de Gaza (leia mais ao final desta reportagem). Por terra, ar e mar, com motos e parapentes, homens armados invadiram o território israelense pelo sul do país.

Houve relatos de que os invasores mataram pessoas que estavam nas ruas e sequestraram dezenas de israelenses, levados como reféns para Gaza.

As forças de Israel não estavam preparadas para responder, de imediato, ao ataque. No mesmo dia, o governo local declarou guerra ao Hamas. Desde então, morreram 1,4 mil pessoas em Israel e cerca de 3 mil na Faixa de Gaza, território palestino localizado em um estreito pedaço de terra na costa oeste de Israel, na fronteira com o Egito.

VEJA TAMBÉM:

Imagens do hospital Al-Shifa, em Gaza, para onde foram levadas vítimas do ataque de Israel a outro hospital. — Foto: Anadolu via Reuters Connect

O que diz Israel sobre o ataque

Segundo o governo israelense, o hospital foi atingido depois que um foguete foi disparado da Faixa de Gaza em direção a Israel.

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pelas Forças de Defesa de Israel:

"A partir da análise dos sistemas operacionais das Forças de Defesa de Israel, foi lançada uma barragem de foguetes inimigos em direção a Israel que passou nas proximidades do hospital, quando este foi atingido. De acordo com informações de inteligência, de diversas fontes de que dispomos, a organização Jihad Islâmica Palestina (JIP) é responsável pelo lançamento fracassado que atingiu o hospital".

Numa entrevista coletiva pela internet, um porta-voz das Forças de Defesa de Israel disse que o foguete que atingiu o hospital, pela forma como explodiu, não poderia fazer parte do arsenal de Israel e que, no momento do ataque, não havia nenhuma operação militar israelense em curso com alvos naquela região.

As forças israelenses divulgaram imagens em que um ponto de luz -- que seria um foguete da Jihad Islâmica -- perde altitude repentinamente (veja o vídeo abaixo).

Forças israelenses divulgam imagens de ponto de luz que seria um foguete da Jihad Islâmica

Forças israelenses divulgam imagens de ponto de luz que seria um foguete da Jihad Islâmica

Segundo Israel, o foguete falha, cai e explode às 18h59, na hora local. Ainda segundo as forças israelenses, foi no mesmo momento em que o hospital era atingido.

O que é a Jihad Islâmica

Ligada ao Hamas, a Jihad Islâmica foi fundada na década de 1980, no Egito, por estudantes universitários de Gaza. É considerado um grupo terrorista também por Estados Unidos, União Europeia e Israel.

Ao longo do tempo, assumiu ataques suicidas e terroristas e não reconhecem a existência do Estado Israelense. No ataque do dia 7 de outubro, uniu-se à ação do Hamas.

Autoridade Palestina decreta luto

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, decretou três dias de luto pelo ataque ao hospital. Para a Autoridade Palestina, o ataque ao hospital foi um massacre.

A Autoridade Palestina é um grupo adversário do Hamas e não tem poder político na Faixa de Gaza.

Abbas tinha planos para se encontrar com o presidente Joe Biden, dos Estados Unidos, na quarta-feira. No entanto, ele cancelou essa reunião e afirmou que vai voltar para a cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

Hamas x Israel: entenda o conflito

▶️ Como foi começou o conflito? As ações do Hamas em 7 de outubro se concentraram perto da fronteira da Faixa Gaza, de onde Hamas lançou 5 mil foguetes. Por terra, ar e mar, com motos e parapentes, homens armados invadiram o território israelense pelo sul do país. Houve relatos de que os invasores atiraram em pessoas que estavam nas ruas e sequestraram dezenas de israelenses (incluindo mulheres e crianças), levados como reféns para Gaza.

▶️ Como foi a resposta de Israel? Diante da ofensiva do Hamas, o governo israelense iniciou uma retaliação. "Estamos em guerra e vamos ganhar", disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, logo após o ataque. "O nosso inimigo pagará um preço que nunca conheceu." Ainda em 7 de outubro, Israel lançou bombas em direção à Faixa de Gaza.

▶️ O que é A Faixa de Gaza? Marcado por pobreza e superpopulação, tem 2 milhões de habitantes morando em um território de 360 km². Para se ter uma ideia desse tamanho em comparação com cidades brasileiras, o território é um pouco maior que o da cidade de Fortaleza (312,4 km²) e menor que o de Curitiba (434,8 km²). Tomada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e entregue aos palestinos em 2005, Gaza vive um bloqueio de bens e serviços imposto por seus vizinhos de fronteira.

▶️ Qual é o histórico do conflito na região? A disputa entre Israel e Palestina se estende há décadas e já resultou em inúmeros enfrentamentos armados e mortes. Em sua forma moderna, remonta a 1947, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs a criação de dois Estados, um judeu e um árabe, na Palestina, sob mandato britânico.

Ataque a hospital em Gaza mata centenas — Foto: Arte/g1