• O presidente Lula afirmou nesta terça-feira (7), durante evento com empresários, que o governo 'garantirá estabilidade fiscal' para investimentos no país

  • O petista deu a declaração dias depois de colocar em dúvida o cumprimento da meta fiscal de 2024 pelo Executivo

  • A fala sobre a dificuldade de fechar o rombo das contas públicas no próximo ano gerou críticas de políticos e levou apreensão ao mercado financeiro

  • Após a declaração do petista, uma ala do governo passou a defender mudança da meta fiscal para evitar o bloqueio de recursos no começo do próximo ano

O presidente Lula (PT) durante evento com investidores no Palácio do Itamaraty — Foto: Reprodução/Apex Brasil
1 de 1 O presidente Lula (PT) durante evento com investidores no Palácio do Itamaraty — Foto: Reprodução/Apex Brasil

O presidente Lula (PT) durante evento com investidores no Palácio do Itamaraty — Foto: Reprodução/Apex Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou a empresários nesta terça-feira (7) que o governo garantirá estabilidade política, fiscal e jurídica para investimentos no Brasil.

O petista deu a declaração durante um fórum, realizado pelo governo com investidores, dias depois de colocar em dúvida o cumprimento pelo governo da meta de zerar o déficit fiscal em 2024. A fala do presidente sobre a dificuldade para fechar o rombo das contas públicas gerou críticas de políticos e apreensão no mercado financeiro.

"Vamos garantir estabilidade política, estabilidade social, estabilidade jurídica, nós vamos garantir para vocês estabilidade fiscal e nós queremos garantir para vocês a possibilidade de vocês colocarem a inteligência empresarial de vocês para que esse país cresça cada vez mais", afirmou o petista nesta terça.

No evento, que ocorreu no Palácio do Itamaraty, Lula também externou a vontade de alcançar US$ 1 trilhão em comércio exterior.

"Que a gente possa chegar, ao invés de 600 e poucos bilhões de dólares de comercio exterior, por que a gente não estabelece meta de chegar a 1 trilhão de dólares de comércio exterior e vamos buscar isso?", indagou.

No pronunciamento diante de investidores, Lula afirmou também que “não é necessário diminuir o estado para valorizar a iniciativa privada” e que, em seu governo, os ativos públicos não serão vendidos, mas sim aprimorados.

Lula diz que governo 'dificilmente' atingirá meta zero nas contas públicas em 2024

Lula diz que governo 'dificilmente' atingirá meta zero nas contas públicas em 2024

Mudança na meta

A meta de zerar o rombo nas contas públicas em 2024 está no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) — enviado pelo governo ao Congresso Nacional em abril.

A mudança da meta fiscal é defendida por parte do governo para evitar que o bloqueio de recursos no começo do próximo ano.

Lula afirmou, no fim de setembro, que não deseja retirar dinheiro de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e admitiu que "dificilmente" a meta proposta será cumprida em 2024 (relembre no vídeo acima).

O Planalto avalia no momento o impacto político da mudança da meta, já que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defende o déficit zero.

Na segunda-feira (6), após reunião com Lula, o líder do governo no Congresso Nacional, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que o governo federal não enviará uma mensagem modificativa para mudar a meta fiscal prevista no projeto da LDO.

O governo tem a prerrogativa de enviar uma mensagem modificando o texto já em tramitação no Congresso Nacional até a votação do relatório preliminar do PLDO na Comissão Mista de Orçamento (CMO), formada por deputados e senadores.

Nos bastidores, segundo o blog do jornalista Gerson Camarotti, o Planalto negocia que um parlamentar aliado apresenta uma emenda ao projeto com a mudança na meta. Outra possibilidade é o relator do projeto na CMO, deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), mudar o texto enviado pelo governo.

Outros pontos

No discurso, no Itamaraty nesta terça, Lula também falou sobre a necessidade de aliar o desenvolvimento econômico com a sustentabilidade ambiental. O petista afirmou que a crise climática não “é mais loucura de professor" universitário e de ambientalistas, e que o planeta está “dando um aviso” sobre o desequilíbrio ecológico.

“A questão do clima é muito séria e o planeta está dando um aviso: 'cuide de mim', 'não me destruam que vocês serão destruídos junto comigo'. É esse o recado que a gente está vendo nos ciclones, nos furacões, nas secas”, afirmou Lula.

O petista também defendeu o emprego de tecnologia na produção agropecuária como forma de amenizar os efeitos da atividade no meio ambiente.

“A gente tem que lembrar que a gente está produzindo muito mais em muito menos terra, nós não precisamos da mesma quantidade de terra para dobrar a produção”, afirmou.