Com a guerra entre Israel e Hamas entrando no segundo mês e mais de 10 mil pessoas mortas em Gaza, os civis encurralados lutam para sobreviver sem eletricidade ou água corrente.

Por Associated Press

Família lava roupa em praia na Faixa de Gaza, em 29 de outubro de 2023. — Foto: Mohammed Dahman/ AP
1 de 3 Família lava roupa em praia na Faixa de Gaza, em 29 de outubro de 2023. — Foto: Mohammed Dahman/ AP

Família lava roupa em praia na Faixa de Gaza, em 29 de outubro de 2023. — Foto: Mohammed Dahman/ AP

As brigas começam nas filas do pão. Os moradores esperam horas por um galão de água salobra que os deixa doentes. Sarna, diarreia e infecções respiratórias devastam abrigos superlotados. E algumas famílias têm que escolher quem come.

“Meus filhos estão chorando porque estão com fome e cansados ​​e não podem usar o banheiro”, disse Suzan Wahidi, trabalhadora humanitária e mãe de cinco filhos em um abrigo da ONU na cidade central de Deir al-Balah, onde centenas de pessoas compartilham um único banheiro. “Não tenho nada para eles.

Com a guerra entre Israel e Hamas no seu segundo mês e mais de 10 mil pessoas mortas em Gaza, os civis encurralados lutam para sobreviver sem eletricidade ou água corrente.

Os palestinos que conseguiram fugir da invasão terrestre de Israel no norte de Gaza enfrentam agora escassez de alimentos e medicamentos no sul, e não há fim à vista para a guerra desencadeada pelo ataque mortal do Hamas em 7 de Outubro.

Mais de meio milhão de pessoas deslocadas amontoaram-se em hospitais e escolas da ONU que se transformaram em abrigos no sul. As escolas – superlotadas, cheias de lixo, infestadas de moscas – tornaram-se um terreno fértil para doenças infecciosas.

Desde o início da guerra, várias centenas de camiões de ajuda entraram em Gaza através da passagem sul de Rafah, mas as organizações humanitárias dizem que isso é uma gota no oceano da necessidade.

Para a maioria das pessoas, cada dia se tornou um ciclo árduo de busca por pão e água e espera em filas.

A sensação de desespero tem pressionado a sociedade unida de Gaza, que tem enfrentado décadas de conflito, quatro guerras com Israel e um bloqueio de 16 anos desde que o Hamas tomou o poder das forças rivais palestinianas.
Milhares de habitantes de Gaza se deslocam para o sul do território

Milhares de habitantes de Gaza se deslocam para o sul do território

Alguns palestinos até manifestaram a sua raiva contra o Hamas, gritando insultos às autoridades ou espancando polícias em cenas inimagináveis ​​há apenas um mês, dizem testemunhas.

Onde quer que você vá, você vê tensão nos olhos das pessoas”, disse Yousef Hammash, um trabalhador humanitário do Conselho Norueguês para os Refugiados na cidade de Khan Younis, no sul do país. “Você pode dizer que eles estão em um ponto de ruptura.”

As prateleiras dos supermercados estão quase vazias. As padarias fecharam por falta de farinha e combustível para os fornos. As terras agrícolas de Gaza são na sua maioria inacessíveis e há poucos produtos nos mercados além de cebolas e laranjas. As famílias cozinham lentilhas em pequenas fogueiras nas ruas.

Você ouve crianças chorando durante a noite por doces e comida quente”, disse Ahmad Kanj, 28 anos, fotógrafo de um abrigo na cidade de Rafah, no sul do país. “Não consigo dormir.”

Muitas pessoas dizem que passaram semanas sem carne, ovos ou leite e agora vivem com uma refeição por dia.

“Existe uma ameaça real de desnutrição e de pessoas passando fome”, disse Alia Zaki, porta-voz do Programa Alimentar Mundial da ONU. O que os trabalhadores humanitários chamam de “insegurança alimentar” é a nova base para os 2,3 milhões de habitantes de Gaza, disse ela.

Pratos famosos de Gaza, como o jazar ahmar – suculentas cenouras vermelhas recheadas com cordeiro moído e arroz – são uma memória distante, substituídos por tâmaras e biscoitos embalados. Mesmo esses são difíceis de encontrar.

Todos os dias, as famílias enviam o seu familiar mais assertivo, antes do amanhecer, para uma das poucas padarias que ainda funcionam. Alguns levam facas e paus – dizem que devem preparar-se para se defenderem caso sejam atacados, com tumultos esporádicos nas filas.

“Mando meus filhos para as padarias e oito horas depois eles voltam com hematomas e às vezes nem mesmo pão”, disse Etaf Jamala, de 59 anos, que fugiu da cidade de Gaza para a cidade de Deir al-Balah, no sul. onde ela dorme nos corredores lotados de um hospital com 15 familiares.

Crianças e mulheres fazem fila para receber comida em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 7 de novembro de 2023. — Foto: Hatem Ali/ AP

Uma mulher disse à Associated Press que o seu sobrinho, um jovem de 27 anos, pai de cinco filhos, que vive no campo de refugiados urbanos de Jabaliya, no norte de Gaza, foi esfaqueado nas costas com uma faca de cozinha depois de ter sido acusado de cortar a linha de água. Ele precisou de dezenas de pontos, disse ela, falando sob condição de anonimato por medo de represálias.

A violência abalou o pequeno território, onde os nomes das famílias estão ligados ao estatuto comunitário e até mesmo pequenas indiscrições podem ser ampliadas aos olhos do público.

“O tecido social pelo qual Gaza era conhecida está a desgastar-se devido à ansiedade, à incerteza e às perdas”, disse Juliette Touma, porta-voz da agência da ONU para os refugiados palestinianos.

Israel cortou o fornecimento de água a Gaza logo após o ataque do Hamas, dizendo que o seu cerco completo só seria levantado depois de os militantes libertarem os cerca de 240 reféns que capturaram. Desde então, Israel abriu oleodutos para o centro e o sul, mas não há combustível para bombear ou processar a água. As torneiras secam.

Aqueles que não conseguem encontrar ou comprar água engarrafada dependem de água salgada e não filtrada, que os médicos dizem causar diarreia e infecções gastrointestinais graves.

“Não consigo reconhecer o meu próprio filho”, disse Fadi Ihjazi. A criança de 3 anos perdeu 5 quilos em apenas duas semanas, disse ela, e foi diagnosticada com uma infecção intestinal crônica.

“Antes da guerra, ele tinha o rosto de bebê mais doce”, disse Ihjazi, mas agora seus lábios estão rachados, seu rosto amarelado e seus olhos fundos.

Nos abrigos, a falta de água torna difícil manter até mesmo a higiene básica, disse o Dr. Ali al-Uhisi, que trata pacientes num deles em Deir al-Balah. Os piolhos e a catapora se espalharam, disse ele, e só na manhã de quarta-feira (8) ele tratou quatro casos de meningite. Esta semana, ele também viu 20 casos de infecção hepática por hepatite A.

“O que me preocupa é que sei que estou vendo uma fração do número total de casos no abrigo”, disse ele.

Para a maioria das doenças, não há tratamento – os comprimidos de zinco e os sais de reidratação oral desapareceram na primeira semana da guerra. Pacientes frustrados agrediram médicos, disse Al-Uhisi, que descreveu ter sido espancado esta semana por um paciente que precisava de uma seringa.

Sadeia Abu Harbeid, 44 anos, disse que faltou a um tratamento de quimioterapia para câncer de mama durante a segunda semana da guerra e não consegue encontrar analgésicos. Sem tratamentos regulares, diz ela, suas chances de sobrevivência são mínimas.

Ela quase não come, optando por dar a maior parte da pouca comida que tem ao filho de 2 anos. “Esta existência é uma humilhação”, disse ela.

Garrafas de água são distribuídas a famílias que fogem da Cidade de Gaza, em meio a batalhas entre Israel e Hamas — Foto: MAHMUD HAMS / AFP

Por toda Gaza, ocorrem raras cenas de dissidênciaAlguns palestinos desafiam abertamente a autoridade do Hamas, que há muito governa o enclave com mão de ferro. Quatro palestinos em Gaza falaram à AP sob condição de anonimato por medo de represálias pelo que viram.

Um homem que foi repreendido por um oficial do Hamas por cortar a fila do pão pegou uma cadeira e quebrou-a na cabeça, de acordo com um trabalhador humanitário na fila. Em outra área, multidões furiosas atiraram pedras contra a polícia do Hamas, que cortou a linha de água e espancou-os com os punhos até se dispersarem, segundo um jornalista local.

Nas últimas noites na Cidade de Gaza, os foguetes do Hamas lançados sobre Israel provocaram explosões de raiva num abrigo da ONU. No meio da noite, centenas de pessoas gritaram insultos contra o Hamas e gritaram que queriam que a guerra acabasse, segundo um jovem de 28 anos que dormia numa tenda com a sua família.

E durante uma conferência de imprensa televisiva na terça-feira, um jovem com uma expressão atordoada e um pulso enfaixado abriu caminho no meio da multidão, interrompendo um discurso de Iyad Bozum, porta-voz do Ministério do Interior dirigido pelo Hamas.

“Que Deus responsabilize você, Hamas!” o homem gritou, apertando a mão ferida.

O futuro de Gaza permanece incerto enquanto os tanques israelenses percorrem as ruas fantasmagóricas da Cidade de Gaza com o objetivo de derrubar o Hamas. Os palestinos dizem que nunca mais será o mesmo.

“A Gaza que conheço é apenas uma memória agora”, disse Jehad Ghandour, de 16 anos, que fugiu para Rafah. “Não sobrou nenhum lugar ou qualquer coisa que eu conheça.”