Mateus Facio, de 21 anos, foi atingido no dia 31 de dezembro, na Praia do Forte, em Cabo Frio. Projétil só foi descoberto 4 dias depois, quando ele precisou ser operado, em Juiz de Fora.


Tomografia realizada em hospital de Juiz de Fora mostra bala alojada na cabeça do estudante mineiro baleado em Cabo Frio — Foto: Arquivo Pessoal

Tomografia realizada em hospital de Juiz de Fora mostra bala alojada na cabeça do estudante mineiro baleado em Cabo Frio — Foto: Arquivo Pessoal

"Foi arriscado, bem arriscado para o paciente". Esta foi a avaliação feita pelo neurocirurgião Flávio Falcometa, que operou Mateus Facio, de 21 anos, em Juiz de Fora.

Mineiro de Juiz de Fora, Mateus Facio foi baleado em Cabo Frio, no dia 31 de dezembro — Foto: Arquivo Pessoal

Naquele dia à noite, ele ainda passou o réveillon em Búzios, cidade vizinha a Cabo Frio. No dia 2 de janeiro, dirigiu mais de 300 km até a casa dele, na Zona da Mata mineira.

Só quatro dias depois, ao perceber que os braços e os dedos não estavam se mexendo normalmente, ele procurou um hospital. Lá, descobriu que precisaria ser operado para retirada da bala, até então desconhecida.

“A bala estava comprimindo o cérebro numa região que é próxima da região responsável pela mobilização do braço direito e isso estava irritando o cérebro, que reagiu com movimentos caracterizados como crises convulsivas”, explicou o neurocirurgião.

Mateus Facio precisou ser operado para retirada da bala em Juiz de Fora — Foto: Arquivo Pessoal

Durante duas horas, Mateus ficou no centro cirúrgico. Até a alta, foram dois dias no Centro de Treinamento Intensivo (CTI) e mais um de internação no quarto.

O médico avaliou a região onde o projétil se alojou e os riscos. “Ele estava numa área muito próxima do que a gente chama de área motora do cérebro, que é responsável pela movimentação. A bala poderia ter causado um dano bem mais grave, ficar com o braço ou metade do corpo paralisado”.

Na sexta-feira (19), recuperando-se em casa, Mateus foi liberado para iniciar algumas tarefas, como sair de casa e caminhar pela vizinhança. A previsão é de que, em até 30 dias, ele esteja apto para voltar à rotina.

Mateus Facio foi atingido por um tiro, mas achou que fosse uma pedrada e continuou curtindo a praia em Cabo Frio — Foto: Arquivo Pessoal