22/01/2024 - 10:24

O corpo de um idoso de 93 anos foi estudado por especialistas da Universidade de Limerick, na Irlanda, e foi descoberto que o senhor possui um motor aeróbico, sistema capaz de fazer com que o corpo use oxigênio para produzir energia, equivalente ao de uma pessoa com idade entre 30 e 40 anos. Os resultados sugerem que Richard Morgan é um exemplo de envelhecimento saudável. As informações são do Washington Post.

A pesquisa que observa os hábitos de treino e dieta do irlandês foi publicada no Journal of Applied Physiology, chegando à conclusão de que o idoso possui um coração, pulmão e músculos de alguém com metade de sua idade. Richard Morgan é um ex-padeiro e ex-fabricante de baterias que não praticava exercícios regularmente até os 73 anos, quando começou a participar de eventos de remo seco.

Apesar de ter começado tarde, o nonagenário já remou o equivalente a quase dez vezes ao redor do globo terrestre, conseguindo se tornar o ganhador de quatro campeonatos mundiais de remo seco, o último em 2022. Richard Morgan se exercita 40 minutos todos os dias, em uma mistura de treinos fáceis, moderados e intensos, somados a uma dieta alta em proteínas e também com levantamento de peso.

O estudo conduzido pelos especialistas da Universidade de Limerick observou o corpo do irlandês durante a simulação de uma corrida de remo de dois quilômetros. As conclusões foram de que, dos 74 quilos que Richard Morgan possui, 80% é composto por músculos e apenas 15% de gordura. Além disso, o nonagenário registrou um batimento cardíaco de 153 por minuto, o que é acima do esperado para alguém que tenha a idade do idoso.

Assine nossa newsletter:

Inscreva-se nas nossas newsletters e receba as principais notícias do dia em seu e-mail

O pico também é um dos mais altos registrados entre pessoas com 90 anos de idade, e atingiu tal velocidade rapidamente, sugerindo que o coração de Richard Morgan consegue suprir os músculos com oxigênio eficientemente. “Foi uma das coisas mais inspiradoras que eu já vi em laboratório”, declarou o autor do estudo e professor de envelhecimento saudável, desempenho físico e nutrição da Universidade de Limerick, Philip Jakeman.