Decreto prevê intervenção de Forças Armadas e polícia em todo o território. Daniel Noboa já havia decretado "exceção" no país na segunda-feira, depois da fuga da prisão de um criminoso conhecido como Fito, chefe do grupo Los Choneros.

Por g1

Soldados patrulham entorno de presídio em Quito após governo decretar "estado de conflito interno" para combater facções criminosas — Foto: Dolores Ochoa/AP
1 de 2 Soldados patrulham entorno de presídio em Quito após governo decretar "estado de conflito interno" para combater facções criminosas — Foto: Dolores Ochoa/AP

Soldados patrulham entorno de presídio em Quito após governo decretar "estado de conflito interno" para combater facções criminosas — Foto: Dolores Ochoa/AP

Em meio à escalada de violência no Equadorque inclui a tomada de uma emissora de TV ao vivo por criminososo presidente Daniel Noboa decretou nesta terça-feira (9) "conflito armado interno" no país.

A medida autoriza a intervenção do Exército e da Polícia Nacional no país contra facções criminosas, e também:

  • Identifica como organizações terroristas 22 facções criminosas e "atores beligerantes não estatais";
  • Determina às Forças Armadas a execução de operações militares para "neutralizar" os grupos criminosos, "respeitando os direitos humanos".

Escalada de violência

Presidente do Equador, Daniel Noboa, reunido com o Conselho de Segurança Pública e de Estado, em 9 de janeiro de 2024 — Foto: Reprodução/X

O país vive uma crise de segurança há dois dias. Noboa decretou na segunda (8) estado de exceção, depois da fuga da prisão de um criminoso conhecido como Fito, chefe do grupo Los Choneros. O decreto segue em vigor e estabelece toque de recolher entre 23h e 5h.

Nesta terça-feira (9), as autoridades relataram a fuga de outro criminoso: Fabricio Colón Pico, um dos líderes de Los Lobos, preso na sexta-feira pelo crime de sequestro e por sua suposta responsabilidade em um plano para assassinar a procuradora-geral do país.

O que está acontecendo:

  • De acordo com o jornal "El Universo", oito pessoas morreram e duas ficaram feridas durante a onda de violência em Guayaquil;
  • Sete policiais foram sequestrados já durante o período de estado de exceção. Os sequestros aconteceram nas cidades de Machala e Quito e na província de Los Rios;
  • Vídeos circulam nas redes sociais com supostas execuções de agentes penitenciários e policiais sendo feitos reféns;
  • Thiago Allan Freitas, filho de um brasileiro, afirmou que o pai está entre os sequestrados: "Estamos desesperados", disse em uma rede social. O Itamaraty informou que está monitorando o caso;
  • Além dos sequestros de agentes na noite de segunda-feira, houve explosões na província de Esmeraldas. Várias pessoas lançaram um artefato explosivo perto de uma delegacia e dois veículos foram queimados em outros locais, sem deixar vítimas.
  • Relatos apontam que criminosos invadiram uma universidade em Guaiaquil, que suspendeu as aulas.
  • Em Quito, um veículo explodiu e um dispositivo foi detonado perto de uma ponte de pedestres. O prefeito Pabel Muñoz pediu ao Executivo a "militarização" de instalações estratégicas ante a "crise de segurança sem precedentes".
  • O Ministério da Educação suspendeu as aulas presenciais em todo o país até a próxima sexta (12);
  • Diante da gravidade da situação, o governo do Peru disse que vai reforçar a segurança na fronteira com o Equador.
Invasão de TV e ‘conflito armado interno’: entenda crise de segurança no Equador

Invasão de TV e ‘conflito armado interno’: entenda crise de segurança no Equador

Ataque a emissora de TV ao vivo

Homens armados e com os rostos escondidos invadiram os estúdios do canal de TV estatal TC Televisión, da cidade de Guayaquil, no Equador, nesta terça-feira (9). Eles afirmaram que têm bombas, e sons semelhantes aos de disparos foram ouvidos. A Polícia Nacional do Equador disse que prendeu os responsáveis pelo ato.

Um homem encostou uma arma no pescoço de um apresentador.

Os homens mantêm pessoas como reféns e houve disparos dentro do estúdio, segundo o site de uma outra TV, a "Ecuavisa".

No Equador, pessoas armadas invadem estúdio de TV

No Equador, pessoas armadas invadem estúdio de TV

Segundo o jornal "El Universo", um artefato explosivo foi colocado na recepção do canal e há indicações que mais de 10 pessoas entraram no canal foram ao estúdio do programa El Noticiero, que estava sendo transmitido ao vivo.

O Estado do Equador é o sócio controlador da TC Televisión.

Novo presidente

Noboa, de 36 anos, é o presidente mais jovem do Equador e chegou ao poder com a promessa de atacar com firmeza os grupos de traficantes, ligados a cartéis colombianos e mexicanos. Ele foi eleito em outubro.

O estado de exceção estará em vigor por 60 dias em todo o país, incluindo nas penitenciárias. A medida inclui um toque de recolher de seis horas, entre 23h e 5h, horário local (das 01h às 07h em Brasília).

A sede presidencial e as estações de metrô de Quito estão militarizadas.

A declaração de estado de exceção permite às Forças Armadas intervir no sistema prisional, onde na segunda-feira se registrou a retenção de um número indeterminado de guardas. O órgão que o administra (SNAI) não indicou se foram libertados.

"Não vamos negociar com terroristas nem descansaremos até devolvermos a paz aos equatorianos", afirmou Noboa, em vídeo publicado em sua conta no Instagram. O presidente atribuiu o ataque às prisões como uma retaliação por suas ações para "recuperar o controle oficial" dos presídios.

Noboa anunciou na semana passada que construirá dois presídios de segurança máxima nas províncias de Pastaza e Santa Elena , ao estilo das construídas pelo presidente salvadorenho, Nayib Bukele, em sua guerra contra as gangues.

Vídeo mostra reféns dentro de estúdio de Tv no Equador

Vídeo mostra reféns dentro de estúdio de Tv no Equador

Nesta terça-feira, indígenas da Amazônia convocaram protestos pacíficos para rejeitar este projeto prisional em seu território biodiverso e produtor de petróleo.

Guerra às drogas

Localizado entre a Colômbia e o Peru, os maiores produtores mundiais de cocaína, o Equador deixou de ser uma ilha de paz para se tornar um forte de guerra às drogas. O ano de 2023 terminou com mais de 7,8 mil homicídios e 220 toneladas de drogas apreendidas, novos recordes no país de 17 milhões de habitantes.

Desde 2021, os confrontos entre presidiários deixaram mais de 460 mortos. Além disso, os homicídios nas ruas entre 2018 e 2023 cresceram quase 800%, passando de 6 para 46 por 100 mil habitantes.