Desta vez, Lula não comparou a ação de Israel à dos nazistas.

A primeira declaração foi dada no domingo (18) e, nos dias seguintes, causou repercussão de autoridades israelenses. Tanto o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, quando o chanceler israelense, Israel Katz, criticaram a fala de Lula e pediram uma retratação.

A fala de Lula desta sexta, reforçando a sua postura a respeito da guerra, ocorreu durante evento do programa "Seleção Petrobras Cultural – Novos Eixos", no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

"Eu quero dizer para vocês que eu não troco a minha dignidade pela falsidade. E quero dizer para vocês que eu sou favorável à criação do Estado palestino livre e soberano. Que possa, esse Estado palestino, viver em harmonia com Israel. E quero dizer mais: o que o governo de Israel está fazendo contra o povo palestino não é guerra, é genocídio, porque está matando mulheres e crianças", disse o presidente.

Blinken comenta fala de Lula sobre guerra em Gaza e o Holocausto: ‘Temos discordância real sobre isso, e amigos podem ter discordâncias’

Blinken comenta fala de Lula sobre guerra em Gaza e o Holocausto: ‘Temos discordância real sobre isso, e amigos podem ter discordâncias’

Em um segundo momento, Lula pediu para que as pessoas não tentassem fazer interpretações sobre o que ele disse quando esteve em agenda internacional em Addis Ababa, capital da Etiópia.

"Não tentem interpretar a entrevista que dei na Etiópia, leiam a entrevista. Leia a entrevista em vez de ficar me julgando pelo que disse o primeiro-ministro de Israel. O que está acontecendo em Israel é um genocídio. São milhares de crianças mortas, milhares desaparecidas. E não está morrendo soldado, estão morrendo mulheres e crianças dentro de hospital. Se isso não é genocídio, eu não sei o que é genocídio", completou Lula.

O presidente voltou a criticar a atuação do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidos (ONU), afirmando que o atual formato do colegiado não permite que ações efetivas para o encerramento de conflitos sejam tomadas pela ONU.

"Vocês sabem que nós aqui no Brasil andamos brigando muito para que a gente tenha uma reforma do Conselho de Segurança da ONU para que ele possa representar o mundo no século XXI e não representar o mundo de 1945, 46, 47, 48. O Conselho de Segurança da ONU hoje não representa nada, não toma decisão para nada e não faz paz em nada", afirmou Lula.

Após o evento, Lula publicou a sua fala sobre Israel no X, antigo Twitter.

Declaração de Lula

"O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus", pontuou Lula.

O petista fez a afirmação após ser questionado sobre a decisão de alguns países de suspender repasses financeiros à Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA, na sigla em inglês).

Lula deu as declarações durante entrevista em Adis Abeba, na Etiópia, onde participou da 37ª Cúpula da União Africana e de reuniões bilaterais com chefes de Estado do continente.

Desde então, a fala do presidente brasileiro vem tendo repecurssão interna e externamente.