Dezessete mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos na manhã desta quinta-feira (1). A operação apura se os donos da empresa teriam cometido o crime de lavagem de dinheiro.

Os investigadores fazem buscas na sedes da 123 Milhas e Maxmilhas e também em endereços ligados aos sócios das empresas.

Operação contra empresários da 123 Milhas em BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Operação contra empresários da 123 Milhas em BH — Foto: Reprodução/TV Globo

A ação é do grupo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do MP. O g1 procurou a 123 Milhas e aguarda retorno.

Operação contra empresários da 123 Milhas em BH — Foto: Reprodução/TV Globo

Recuperação judicial

Em dezembro do ano passado, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou a retomada imediata da recuperação judicial da 123 Milhas. O processo estava suspenso desde setembro, após pedido feito por um dos credores da empresa, o Banco do Brasil.

“Ainda que evidenciada a necessidade de realização da constatação prévia, a retomada não pode demorar, sob pena de frustração do próprio pedido recuperacional, notadamente diante do dinamismo que envolve as relações no mercado de turismo", disse o desembargador na época.

Ainda segundo a Justiça, o fato é de repercussão midiática, e a empresa teve uma média de cinco milhões de clientes por ano.

Além disso, houve uma movimentação financeira de mais de R$ 5 bilhões no ano de 2022, apresentando, por outro lado, 700 mil credores, que depositaram nas empresas “seus sonhos de viagem”.

A recuperação judicial envolve as empresas 123 Viagens e Turismo Ltda., Art Viagens e Turismo Ltda. e Novum Investimentos Participações S/A.