Ex-chefe da Abin falou com exclusividade ao blog e disse que assessora de Carlos Bolsonaro estava "desavisada" ao fazer pedido por mensagem.


Alexandre Ramagem e Jair Bolsonaro. — Foto: Adriano Machado/Reuters

Alexandre Ramagem e Jair Bolsonaro. — Foto: Adriano Machado/Reuters

O ex-chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Alexandre Ramagem disse ao blog nesta quinta-feira (31) que vai depor no final de fevereiro no inquérito que apura a existência de uma Abin Paralela. Ele se queixa de ser chamado um mês após as buscas realizadas pela Polícia Federal e nega qualquer pedido de Carlos Bolsonaro a ele, apesar de tê-lo como amigo.

Print da conversa entre assessora de Carlos Bolsonaro e Alexandre Ramagem anexado em manifestação da PGR. — Foto: Divulgação/PGR

Uma das principais preocupações do entorno de Bolsonaro é que as investigações cheguem ao ex-presidente da República. A estratégia, agora, é empurrar a responsabilidade de uma eventual Abin Paralela para general Augusto Heleno. Já Heleno - intimado a depor - deve descrever a relação com Ramagem e dizer que o antigo chefe da Abin despachava diretamente com Bolsonaro.

Ex-ministro do GSI Augusto Heleno, em depoimento à CPI dos Atos Golpistas — Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Ramagem explicou ao blog como era a relação com Bolsonaro e explicou que despachava diretamente com o ex-presidente e o general Heleno.

"Com Heleno, na maioria das vezes, mas às vezes sem Heleno", diz.

Ramagem acredita que, se Heleno usar isso como defesa, ele só colocará a realidade. O ex-chefe da Abin tinha contato direto com Bolsonaro, além do contato quase que diário com Heleno: “Era meu superior hierárquico”.