"No momento fiquei sem reação nenhuma. Não entendi o porquê ele fez isso", disse.

Mayk estava a 18 metros de altura quando Raul Ferreira Pelegrin, morador da cobertura, cortou a corda que o sustentava, segundo a Polícia Civil do Paraná (PC-PR). Relembre mais abaixo.

"No momento ali que a minha corda afrouxou eu fiquei desesperado, né? Não é uma coisa normal, é fora do normal. Foi muito rápido, mas como a empresa passa um treinamento pra gente, eu fiz um desvio de corda, fiquei preso pela linha de vida, pelo trava-quedas, me mudei para a corda do trava-quedas e continuei minha descida. Quando cheguei embaixo, meu supervisor me avisou que o morador da cobertura tinha cortado a minha corda", contou.

O caso aconteceu no bairro Água Verde em 14 de março, mas foi divulgado na segunda-feira (24) pelo MP-PR, que denunciou o homem por tentativa de homicídio. Pelegrin foi preso em flagrante logo após o crime.

Segundo o MP-PR, a vítima fazia a limpeza, no 6º andar do edifício, preso por uma corda que estava amarrada no telhado do prédio. Durante o trabalho, o denunciado, que mora na cobertura do edifício, no 27º andar, cortou a corda com uma faca.

A defesa de Pelegrin afirmou que não irá se manifestar.

Morador é preso após cortar corda que segurava trabalhador que limpava fachada de prédio

Morador é preso após cortar corda que segurava trabalhador que limpava fachada de prédio

Trabalhador estava a 18 metros de altura quando teve corda cortada por morador da cobertura — Foto: Artes/RPC

Ameaças

Segundo o Boletim de Ocorrência (B.O), funcionários que realizavam a limpeza foram ameaçados pelo homem antes de ele fazer o corte da corda.

"Antes dele cortar minha corda, ele ameaçou outro amigo de corda, na outra janela. Em cima, na parte superior do prédio, meu superior estava lá em cima e viu o momento em que ele cortou minha corda", contou Mayk.

Investigação

Raul Ferreira Pelegrin, morador da cobertura, cortou a corda que sustentava trabalhador — Foto: Reprodução/RPC

Após o corte da corda, a polícia foi acionada. No local, os agentes precisaram arrombar a porta de um dos quartos do apartamento, onde Pelegrin foi encontrado e reconhecido pela vítima.

No apartamento os policiais encontraram a faca usada no crime e um pedaço da corda cortada.

O MP informou que o motivo para o crime ainda é desconhecido.

Cadeia Pública de Curitiba — Foto: Divulgação

Durante o interrogatório policial, o agora denunciado ficou permaneceu em silêncio e "sustentou não saber os motivos de ter sido conduzido à delegacia".

Na denúncia contra o homem, o MP considerou duas qualificadoras: recurso que dificultou a defesa da vítima e uso de meio insidioso – ou seja, o crime foi cometido sem que a vítima percebesse.

Argumentação da defesa no processo

A defesa de Pelegrin entrou com pedido de habeas corpus solicitando a soltura sob argumento dele ser dependente químico. Este tipo de medida judicial tenta garantir o direito de liberdade a uma pessoa presa ilegalmente, por exemplo.

O pedido informou que o homem seria levado para uma clínica de tratamento, mas a Justiça recursou e manteve a prisão.

Conforme o processo, Pelegrin está preso preventivamente na Cadeia Pública de Curitiba.