A iniciativa faz parte do projeto "Mais Acesso", criado em 2021, pela professora de Legislação e Ética da Escola Superior de Artes e Turismo (Esat), Marklea Ferst, e alunos da universidade.

Os cursos abordarão sobre o atendimento à pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida com intuito de promover acessibilidade e inclusão.

Qualquer pessoa pode participar e obter um certificado ao final de cada curso com duração de 30 horas.

Coordenadora da plataforma 'Mais Acesso',  Marklea Ferst, no lançamento em Manaus — Foto: Divulgação

Coordenadora da plataforma 'Mais Acesso', Marklea Ferst, no lançamento em Manaus — Foto: Divulgação

Projeto "Mais Acesso"

Criado em 2021 por uma professora e alunos da universidade, o projeto "Mais Acesso" foi reformulado e ampliado com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Atualmente, a equipe conta com 28 pessoas, entre alunos e ex-alunos voluntários, que atuam no desenvolvimento de soluções digitais de ensino e aprendizagem para capacitação.

Segundo a equipe, o objetivo do "Mais Acesso" é promover a acessibilidade, inclusão e igualdade de oportunidade para PCDs ou com mobilidade reduzida.

Beatriz Viana, deficiente visual, integrante do grupo, é uma das principais consultoras de atividades do site e aplicativo. Ela explica que, por ter uma deficiência, sempre lidou com obstáculos. Mas participar de um projeto como esse mudou completamente a rotina dela.

"Eu era uma pessoa mais tímida e retraída. O projeto me fez lutar mais pela causa (das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida) e ficar mais ativa. É muito importante ter pessoas que vivenciam essa realidade na equipe, porque não adianta o projeto ser voltado para a gente e nós não participarmos", destacou Beatriz, que é aluna do curso de Turismo.