Carteira de Trabalho — Foto: Reprodução
1 de 1 Carteira de Trabalho — Foto: Reprodução

Carteira de Trabalho — Foto: Reprodução

O mercado de trabalho no Brasil registra recorde histórico de trabalhadores ocupados e, consequentemente, o patamar mais baixo de desemprego em quase uma década. É o que apontam os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta terça-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, o país encerrou o trimestre terminado em setembro com taxa de desemprego em 7,7% - patamar mais baixo registrado desde o trimestre terminado em setembro de 2015. Em números absolutos, o desemprego atingia 8,3 milhões de brasileiros.

Já o número de pessoas ocupadas no mercado de trabalho chegou a 99,8 milhões, maior contingente observado na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

“A queda na taxa de desocupação foi induzida pelo crescimento expressivo no número de pessoas trabalhando e pela retração de pessoas buscando trabalho no terceiro trimestre de 2023”, explica a coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE, Adriana Beringuy.

Segundo a pesquisadora, o grande destaque do levantamento é o aumento do trabalho formal no país. Na comparação com o trimestre terminado em junho, a ocupação no mercado de trabalho avançou 0,9%. Em números absolutos, isso corresponde a quase 1 milhão (929 mil) pessoas a mais trabalhando no país, sendo que mais da metade (587 mil) foi contratada com carteira de trabalho assinada.

“Isso fez com que a expansão da ocupação formal fosse muito maior que a da informal. Não que a informalidade tenha caído. Chegamos a 39 milhões de pessoas trabalhando na informalidade, o que é um contingente significativo ”, destacou.