Segundo especialistas, aumento de casos é consequência da pandemia de Covid: após longo período de isolamento, ficamos ‘menos preparados’ para combater a bactéria. Quadro costuma ser tratado com antibiótico.

Por Luiza Tenente, g1

  • Escarlatina é transmitida pela bactéria Streptococcus do grupo A, a mesma que causa doenças como meningite e pneumonia.

  • Sintomas clássicos (língua avermelhada e com papilas dilatadas, e manchas rosadas e ásperas na pele) permitem que o diagnóstico seja clínico, sem a necessidade de exames.

  • Doença é transmitida por gotículas e pode ser evitada quando não há compartilhamento de objetos ou contato próximo com indivíduos contaminados.

A erupção cutânea característica da escarlatina é perceptível no rosto de uma criança — Foto: Science Photo Library
1 de 3 A erupção cutânea característica da escarlatina é perceptível no rosto de uma criança — Foto: Science Photo Library

A erupção cutânea característica da escarlatina é perceptível no rosto de uma criança — Foto: Science Photo Library

Língua avermelhada, com aspecto de “framboesa”, e manchas rosadas e ásperas na pele: esses são os dois principais sintomas da escarlatina, infecção bacteriana que acomete principalmente as crianças menores de 10 anos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a incidência da doença começou a aumentar em 2022, em países como França, Irlanda, Suécia e Reino Unido, e permanece em alta. No Brasil, os números se elevaram em 2023: o estado de São Paulo, por exemplo, já registrou 31 surtos entre janeiro e outubro, ante apenas 4 no ano anterior, informou a Secretaria de Estado da Saúde, em balanço divulgado na quinta-feira (23).

➡️ Por quê? Victor Horácio, infectologista e vice-diretor de Assistência e Ensino do Hospital Pequeno Príncipe (PR), afirma que o aumento de casos na Europa e na América Latina é característico do período pós-pandemia.

“Depois de tanto tempo de isolamento, nós ficamos mais suscetíveis à Streptococus Grupo A, que é a causadora da escarlatina. A bactéria não mudou o perfil genético de agressividade nem está mais resistente aos antibióticos. Nós que deixamos de desenvolver anticorpos naquele período [da Covid-19]”, explica o especialista.

Mas, calma, segundo os infectologistas ouvidos pelo g1, não há motivos para desespero: o tratamento com antibiótico costuma ser eficaz e, em 24 horas, já praticamente zera o risco de transmissão da bactéria para outra pessoa. A preocupação maior é com as doenças invasivas causadas por essa mesma bactéria, como pneumonia e meningite.

Veja, abaixo, quais os sintomas da escarlatina, como tratá-la e que cuidados tomar para evitar a contaminação:

⭕ Por que os casos costumam atingir as crianças?

Segundo Alberto Chebabo, infectologista da Dasa, as crianças ainda estão desenvolvendo o sistema imunológico e, por isso, ficam mais vulneráveis a infecções virais. Você deve estar pensando: ué, mas a escarlatina não é causada por bactéria?

Sim, mas uma situação leva à outra. “Um quadro viral aumenta a chance de uma infecção bacteriana secundária da Streptococus do grupo A”, afirma o especialista. Com o passar do tempo, o organismo vai entrando em contato com esses micro-organismos e ficando mais resistente a eles.

⭕ Quais são os sintomas da escarlatina? E como é feito o diagnóstico?

Escarlatina deixa a língua com aspecto de framboesa — Foto: Divulgação/DFTB Skin Deep

Como dito no início da reportagem, há dois sinais clássicos:

  • alterações na pele, com aparecimento de manchas de tom rosado e textura de lixa;
  • língua com aspecto de framboesa: cor avermelhada e viva, e papilas ampliadas.
“O pediatra reconhece muito facilmente esses sintomas, por isso, o diagnóstico é clínico e não exige exames”, afirma Chebabo.

Além das manchas e da língua “framboesa”, o quadro pode incluir eventualmente febre alta e dor de garganta.

Em geral, o ciclo da doença dura até 7 dias e, com tratamento adequado (veja mais abaixo), não costuma evoluir para quadros preocupantes. O mais importante é procurar o pediatra assim que os primeiros sintomas aparecerem.

No caso da criança de São João Del Rei (MG) que tinha escarlatina e morreu em 23 de outubro, a causa do óbito não foi a doença, informa a secretaria de saúde.

Outras duas mortes ainda estão sendo analisadas em Minas Gerais, mas o órgão afirma que “a investigação epidemiológica realizada sugere que os pacientes faleceram devido a uma infecção disseminada (sepsemia)”.

Até a última atualização desta reportagem, os exames ainda não haviam apontado quais os micro-organismos responsáveis pelos óbitos.

⭕ E se essas manchas coçarem?

Manchas de pele em criança com escarlatina — Foto: Divulgação/DFTB Skin Deep

Sabemos como é difícil fazer com que a criança não coce as lesões na pele, certo? Uma dica é cortar as unhas e deixá-las mais curtinhas, para evitar que a sujeira embaixo delas entre em contato com as manchas.

É um cuidado importante, dizem os infectologistas, porque evita outra infecção bacteriana nas feridas.

“O pediatra pode receitar antialérgicos e anti-histamínicos para aliviar a sensação de coceira”, explica Chebabo.

⭕ Qual é o tratamento?

A escarlatina deve ser tratada com antibiótico receitado pelo médico (em geral, por 10 dias).

➡️ Após 24 horas da primeira dose, o paciente não transmitirá mais a doença.

➡️ Em dois ou três dias, já haverá melhora dos sintomas.

⭕ Como a doença é transmitida? É possível evitá-la?

A escarlatina é uma doença altamente contagiosa e transmitida por gotículas (de tosse e espirro, por exemplo, expelidas na fala e no beijo ou deixadas em objetos compartilhados).

Para evitar a doença, é preciso:

➡️ não dividir talheres, copos e brinquedos;

➡️ não entrar em contato com indivíduos contaminados;

➡️ não permitir que crianças com escarlatina vão à escola pelo menos nas primeiras 24 horas do tratamento (depois desse período, o antibiótico já garante que não haverá transmissão).

Vídeos

Aumento de casos de escarlatina é registrado no estado de São Paulo

Aumento de casos de escarlatina é registrado no estado de São Paulo