Logo da ONU do lado de fora da sede em Nova York — Foto: Carlo Allegri/Reuters
1 de 2 Logo da ONU do lado de fora da sede em Nova York — Foto: Carlo Allegri/Reuters

A proposta, elaborada pelos Emirados Árabes Unidos passou por duas semanas de negociações até chegar no texto alcançado nesta quinta-feira.

"Essa é uma resolução que podemos apoiar", disse a embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield.

No entanto, ela não especificou se isso significava que os EUA votariam a favor ou se absteriam (entenda sobre o processo de voto abaixo), o que permitiria que a resolução fosse adotada.

Desde o início dos conflitos, em 7 de outubro, os Estados Unidos já vetaram resoluções contrárias a Israel duas vezes.

A atual versão do texto pede que sejam tomadas "medidas urgentes para permitir imediatamente o acesso seguro e sem obstáculos à ajuda humanitária, e também para criar as condições para um cessar-fogo sustentável", mas não pede o fim imediato dos combates.
O que significa o 'cessar-fogo sustentável', defendido por Reino Unido e Alemanha em Gaza?