Fuvest divulga lista de aprovados na 1ª fase — Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo
1 de 2 Fuvest divulga lista de aprovados na 1ª fase — Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo

Fuvest divulga lista de aprovados na 1ª fase — Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo

O tema da redação da Fuvest 2024 é 'Educação básica e formação profissional: entre a multitarefa e a reflexão'. Pela primeira vez na história, a segunda fase do vestibular para o ingresso na Universidade de São Paulo (USP) acontece no mês de dezembro.

  • De acordo com a fundação, os candidatos tiveram à disposição diversos textos de apoio, incluindo imagens que reproduziam obras de arte e postagem de redes sociais;
  • Houve citação do filósofo Byung-Chul Han, autor de 'Sociedade do cansaço';
  • E do sociólogo Domenico de Masi, autor de 'O ócio criativo';
  • Além disso, pesquisadores de universidades brasileiras, incluindo a Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, também serviram de referência aos estudantes.

"A Fuvest propôs uma discussão acerca do papel da educação básica e da formação profissional. O que deveria prevalecer? A multitarefa ou a reflexão? Ela ofereceu textos nos quais o candidato deveria se basear para poder discutir e posicionar-se em relação ao que seria mais importante na educação básica", apontou a professora Maria Aparecida Custódio, do Curso e Colégio Objetivo.

"Se a educação básica, de fato, prepara o futuro profissional ou se deixa a desejar porque exige demais do estudante, por exemplo, na questão da multitarefa, que seria desenvolver várias atividades ao mesmo tempo, não tendo tempo para a reflexão que provavelmente seria o que o Domenico de Masi teria proposto numa de suas obras, o ócio criativo", completou.

Para o professor de Redação do Curso e Colégio Oficina do Estudante Mateus Leme, o tema surpreendeu. "Porque todo mundo vai esperando na Fuvest um tema muito filosófico e abstrato. Como o tema fala sobre educação básica e formação profissional, é possível que o aluno faça uma abordagem um pouco mais concreta, fale da educação brasileira ou da educação nos países ocidentais."

"De modo geral, é possível que a gente perceba que é uma crítica da banca ao sistema educacional brasileiro, que está voltado a ter uma abordagem mais técnica, mais pragmática. E a Fuvest quer tematizar a questão da formação profissional na oposição, principalmente, ao ócio", afirmou.

E finalizou: "A reflexão simboliza o ócio, e o ensino atual é o ensino multitarefa para que o aluno busque sempre sucesso, eficiência e desempenho. Então, podemos entender como uma crítica ao sistema educacional brasileiro, ainda que não tenha alguma referência - no tema nem na coletânea - ao novo Ensino Médio, nada disso".

Professores de cursinhos comentaram as provas das disciplinas específicas da segunda fase. Confira:

Língua Portuguesa

Sobre as disciplinas de literatura, língua portuguesa e redação, a professora Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora Pedagógica do Objetivo, afirmou que foi "uma prova muito bem elaborada, moderna, atual, muito bem-feita. Uma prova que está de parabéns pela modernidade, pelo aspecto crítico e pelo que traz de bem atual, de textos, de autores bem contemporâneos que estão aí na ordem do dia".

"A prova realmente exigiu do candidato sempre reflexão nas questões que aparecem. O aluno tem que ter um espírito crítico, o aluno tem que estar antenado, porque a prova é uma prova bem contemporânea, uma prova que está exigindo assuntos do aluno que foram publicados na mídia agora em 2023, onde o aluno tem que estar ligado às redes sociais, mas não de uma maneira fútil, mas sim de uma maneira refinada, com um espírito crítico", disse a professora.

As questões referentes a literatura foram, para André Barbosa, professor de Literatura do Curso e Colégio Oficina do Estudante, "muito diversificada entre si e muito diferente, também, no que diz respeito à abordagem dos autores. As questões não conversam entre si, foram questões muito fechadas, muito clássicas no seu sentido, e nem um pouco surpreendentes. Foi uma prova dentro do esperado, na nossa visão, cobrando, inclusive, num nível de dificuldade já presente nos últimos anos. Uma prova muito clássica".

O professor André comentou cada uma das questões:

  • questão 7 foi muito clássica porque traz o famoso "Poema de Sete Faces", de Carlos Drummond de Andrade, que, aliás, é o poema que inicia o livro "Alguma Poesia" e explora os sentidos do primeiro verso, que é um objeto de paródia na literatura brasileira. É um projeto de muita intertextualidade. Então tem uma relação ali entre o verso "Quando nasci um anjo torto", do Drummond, em relação a uma canção de Caetano Veloso. Tem uma exploração crítica da intertextualidade. Isso que é importante frisar.
  • Já na questão 8, que é a questão seguinte, você tem uma relação entre "Quincas Borba", de Machado de Assis e um texto do ensaio "O Dezoito Brumário", de Luiz Bonaparte, de Karl Marx. Então, você tem uma relação entre o texto literário e a abordagem das ciências sociais. Bem interessante.
  • questão 9 relaciona o livro "O Romanceiro da Inconfidência", de Cecília Meirelles, ao contexto do arcadismo, que é um período literário ao qual esse livro remete.
  • E a questão 10, por sua vez, traz uma obra do próprio arcadismo, do escritor Tomás Antônio Gonzaga, em uma relação com a sua representação nas artes visuais. Então, uma questão de intertextualidade entre duas formas de linguagem.

O professor de Gramática e Interpretação de Texto do Curso e Colégio Oficina do Estudante Marcos Sagatio avaliou a prova como "muito típica da Fuvest". "Explorou algumas questões de gramática, prefixo, tempos verbais, reescrita usando tempos verbais, mas que, no geral, enfatizou a leitura, a contextualização e o significado."

"A prova, como sempre, valorizou muito a semântica, a leitura do texto, o significado das palavras, como relacionar o significado ao contexto, explorar as possibilidades de sentido, a polissemia, a reflexão sobre o sentido da palavra dentro do texto", disse o professor.

  • "Isso ficou muito evidente na questão 1, por exemplo, em que havia o duplo sentido da palavra humanidade. Também em outras questões, como a 6, que pedia a polissemia, ou seja, os diferentes sentidos e as diferenças entre a palavra 'execução'";
  • "Também foi uma prova que explorou, como sempre, aspectos gramaticais. Na primeira questão, pedia-se que o candidato soubesse identificar prefixos, elementos mórficos no texto, o significado desses prefixos. Ao mesmo tempo, a gente teve a 3, que pedia a reescrita de um trecho do texto mudando-se o tempo verbal, mantendo-se a correlação dos tempos verbais (estava no tempo verbal e pedia-se que o candidato reescrevesse fazendo todas as alterações com os outros verbos, de acordo com a gramática) e ela começava com 'estamos' e pedia que se reescrevesse com 'estávamos', mudando do presente para o passado";
  • "A questão 4 também explorou a questão da semântica, a acepção da palavra 'travesti' no dicionário e depois a releitura desse sentido, desse termo, a partir dos novos valores pelos quais a pessoa está passando, de valorizar a identidade sexual, as diferentes orientações sexuais, que não são só heteronormativas. Então é uma questão interessante, porque ao mesmo tempo que ela mobiliza, por parte do candidato, o conhecimento de morfologia, de leitura do verbete de dicionário, a notação da classe gramatical, também essa reflexão linguística, mostrando como o sentido, o uso da língua muda de acordo com os valores que vão se transformando ao longo do tempo";
  • "A questão número 5 pede a palavra ainda, também pede que o candidato relacione essa palavra ao contexto, o significado dela ao contexto, e no item B também, uma frase, os objetos não são simplesmente objetos, pede-se para explicar o sentido do texto, ou seja, repete a mesma palavra, objeto, mas o candidato teria que ler o duplo sentido de acordo com o contexto em que aparece a frase. O objeto deixa de ser objeto porque ele adquire um valor simbólico, dentro de toda a discussão ideológica que vinha do texto, do manto tupinambá, que está a acompanhar e vai ser devolvido para o Brasil".

Sobre o vestibular

Nos anos anteriores, a segunda fase era realizada no mês de janeiro. A abstenção foi de 6,1%. Entre os 30.788 candidatos convocados para esta etapa, 1.877 não compareceram. Na edição anterior, a abstenção do primeiro dia foi de 7,2%.

  • Neste domingo, haverá questões de português e uma redação;
  • Na segunda-feira (18), questões de duas a quatro disciplinas, dependendo do curso escolhido.

Neste ano, a USP oferece 8.147 vagas distribuídas entre ampla concorrência, egressos de escola pública e pessoas que estudaram em escolas públicas e se declaram pretas, pardas e indígenas.

📍 As provas serão realizadas em 31 cidades da região metropolitana, no litoral e no interior de São Paulo. Os portões serão abertos ao meio-dia e fechados às 13h, quando terá início o exame.

Fuvest 2024 DOMINGO (19) - Ribeirão Preto (SP): Candidatos se concentram na sombra das árvores para tentar fugir do calor em Ribeirão — Foto: Érico Andrade/g1

Veja as recomendações da Fuvest 😉

Ao chegar ao local de prova:

  • Dirija-se imediatamente à sala de aula;
  • Evite ficar no corredor e fazer aglomeração.

Ao chegar à sala de aplicação de prova:

  • Identifique-se: mostre seu documento oficial com foto para o fiscal da sala. Não é necessário entregar o documento na mão do fiscal. Evite contato físico. Comunique-se apenas de forma essencial;
  • Sente-se: identifique a sua carteira - há um cartão personalizado de papel com o seu nome colado nela, e sente-se. Evite trânsito desnecessário pela sala de prova;
  • Higienize-se: haverá um sachê com um tecido embebido em álcool sobre a sua mesa. Abra o sachê, pegue o pano e higienize a mesa. Descarte esse tecido no lixo.

Durante a prova:

  • Os candidatos poderão comer dentro das salas de aplicação de prova;
  • Os candidatos poderão sair em definitivo das salas de prova somente após as 16h.

O que levar:

  • Documento de identidade original;
  • Caneta transparente de tinta azul;
  • Lápis ou lapiseira, apontador e borracha para rascunho;
  • Régua transparente;
  • Alimentos e água. É permitido o consumo de alimentos e água dentro de sala.

ATENÇÃO: É proibido utilizar boné, relógio e aparelhos eletrônicos. O celular deverá ser desligado e colocado no envelope que será fornecido antes da prova.

Sobre as vagas 📚

O número de candidatos inscritos no vestibular 2024 da Universidade de São Paulo totalizou 110.399, considerando-se candidatos e treineiros. Os treineiros são estudantes que ainda não concluíram o ensino médio, mas que prestam a prova para testar seus conhecimentos.

Neste ano, são 10.826 treineiros e 99.573 candidatos.

No ano passado, o número total de inscritos no vestibular foi de 114.434. E, assim como no último ano, os cursos mais concorridos serão Medicina, Psicologia e Relações Internacionais.

Em número de inscritos totais para as carreiras, Medicina em São Paulo lidera o ranking, com 15.063 candidatos, seguido de Medicina em Ribeirão Preto com 6.324. Em terceiro lugar fica com Medicina em Bauru, com 3.362.

Na relação de candidatos por vaga, a carreira de medicina em São Paulo segue em primeiro lugar, com índice 117.7, seguida de medicina em Ribeirão Preto, com 86.6 candidatos por vaga, e medicina em Bauru, com 78,2.

Em 2022 começou a valer o sistema chamado de Enem-USP, que passará a realizar a seleção das vagas antes destinadas ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Com isso, a USP deixará de oferecer vagas no sistema do Ministério da Educação.

Veja os 10 cursos mais concorridos da Fuvest 2024 🤩

  1. Medicina em São Paulo: 118 candidatos por vaga;
  2. Medicina em Ribeirão Preto: 87 candidatos por vaga;
  3. Medicina em Bauru: 78 candidatos por vaga;
  4. Psicologia em São Paulo: 63 candidatos por vaga;
  5. Relações Internacionais: 52 candidatos por vaga;
  6. Psicologia em Ribeirão Preto: 38 candidatos por vaga;
  7. Audiovisual: 38 candidatos por vaga;
  8. Medicina Veterinária em São Paulo: 30 candidatos por vaga;
  9. Publicidade e Propaganda: 30 candidatos por vaga;
  10. Design: 30 candidatos por vaga.

Calendário 📆

  • Para os candidatos às carreiras de Música, Artes Visuais e Artes Cênicas, o vestibular não acaba aqui: ainda há as provas de competências específicas. Cada curso tem um calendário próprio: Música em Ribeirão Preto tem provas de 3 a 6 de janeiro; Artes Visuais no dia 4 de janeiro; e Artes Cênicas de 8 a 11 de janeiro.
  • Divulgação da primeira lista de chamada para matrícula: 22 de janeiro de 2023.