De acordo com a Receita Federal, as equipes de Controle de Bagagem da Alfândega da Receita Federal fizeram uma operação de fiscalização de bagagens no Terminal de Passageiros do aeroporto durante o dia.

Após realização de procedimentos de análise de risco a Equipe de Vigilância e Repressão, com os agentes caninos Deco e Odin, identificaram algumas bagagens suspeitas saindo de Manaus em voos domésticos.

Os cães de faro sinalizaram positivamente para algumas malas, que foram separadas e submetidas ao raio-x, entretanto não foi confirmada a presença de produto orgânico em seu interior.

Os servidores da Receita Federal, diante da insistência dos cães de faro da presença de drogas, realizaram uma varredura no saguão de embarque, ação que identifica pessoas com drogas escondidas no corpo.

Novamente a fiscalização não encontrou nada. Como último ato a fiscalização verificou os banheiros do saguão de embarque e encontrou, escondidos atrás de um dos espelhos, 13 tabletes contendo Skunk, com o peso total de 6,5 quilos.

A atuação da Receita Federal contra ilícitos

A Alfândega do Aeroporto de Manaus informa que as ações de fiscalização e controle aduaneiro realizadas têm por objetivo evitar a circulação, no território nacional, de produtos potencialmente nocivos à saúde e ao meio ambiente, e inibe a prática de crimes que geram desemprego, sonegação de impostos e concorrência desleal à indústria e ao comércio local.

A Receita Federal também alerta que muitos casos de contrabando e descaminho, considerados pela população como crimes “menores”, estão ligados ao crime organizado que atua nas fronteiras brasileiras.