Tite, Cafu, Zinho, Bebeto e Mauro Silva passaram pelo velório para prestar homenagens. O corpo do Velho Lobo será enterrado às 16h, no Cemitério São João Batista, em Botafogo. Zagallo morreu na sexta (5) aos 92 anos de falência múltipla dos órgãos.

Por Suelen Bastos, g1 Rio

Zagallo é velado na sede da CBF, no Rio

O corpo de Mário Jorge Lobo Zagallo foi velado neste domingo (7), na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O ex-jogador e ex-técnico morreu na noite de sexta-feira (5), aos 92 anos, de falência múltipla dos órgãos. Ele estava internado desde o fim de dezembro em um hospital no Rio.

O velório, que começou às 9h30 deste domingo e ficou aberto ao público até as 14h. A previsão é que, depois das 15h, o corpo seja levado em um carro dos bombeiros da sede da CBF até o Cemitério São João Batista, onde será sepultamento às 16h.

O corpo do Velho Lobo foi velado ao lado das cinco taças de Copas do Mundo que o Brasil venceu (Zagallo teve participação em quatro delas) e da estátua de cera que o museu da CBF fez em sua homenagem em 2022Esta foi a primeira vez que a estátua de Zagallo ficou exposta ao público (veja foto abaixo).

Zagallo é velado na sede da CBF neste domingo (7); estátua do técnico foi colocada na sala — Foto: Suelen Bastos/g1
1 de 6 Zagallo é velado na sede da CBF neste domingo (7); estátua do técnico foi colocada na sala — Foto: Suelen Bastos/g1

Zagallo é velado na sede da CBF neste domingo (7); estátua do técnico foi colocada na sala — Foto: Suelen Bastos/g1

Entre os atletas e autoridades que passaram pelo velório para prestar homenagens, estão Tite, ex-treinador da seleção brasileira e atual técnico do Flamengo, o ex-jogador Grafite e os campeões mundiais Cafu, Zinho, Bebeto, Jorginho e Mauro Silva. Marcos Braz, dirigente do Flamengo, e Mario Bittencourt, presidente do Fluminense, também comparecem ao velório.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira e o técnico do tetra, Carlos Alberto Parreira, enviaram coroas de flores para prestar condolências à família.

Cafu, capitão da seleção brasileira pentacampeã do mundo em 2002, "revelou" como era o Velho Lobo nos bastidores.

"O Zagallo cobrava quando tinha que cobrar, era paizão quando tinha que ser paizão, era amigo quando tinha que ser amigo e era treinador quando tinha que ser treinador. Era um treinador que era respeitado e isso que era o mais importante", afirmou o lateral.

"Quando você tem respeito do grupo, a tendência é fazer o que fizemos, conquistar títulos e fazer com que o Zagallo seja reconhecido e conhecido da maneira que tem que ser, como um herói brasileiro."

O ex-jogador Bebeto (c) comparece ao velório do ex-técnico e ex-jogador da seleção brasileira Mario Jorge Lobo Zagallo, na sede da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, neste domingo (07). — Foto: ALEXANDRE BRUM/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Emocionado, o atacante Bebeto (veja foto acima), um dos destaques do tetra em 1994, declarou: "Toda a minha história como jogador de futebol e como homem, eu tive ele como referência. Ele foi o meu segundo pai. Ele transcende o futebol. Temos um amor muito grande pela família dele".

O goleiro Gilmar Rinaldi, um dos reservas de 1994, relembrou o amor do Velho Lobo pela seleção (veja vídeo abaixo). “Ninguém amou mais essa camisa do que ele. A gente tem que pensar isso pra sempre e, quem sabe, esteja na hora de repensar e voltar a esse estilo. Essa camisa tem um peso, e ele deu como ninguém”.

'Ele sabia conduzir muito bem os jogadores', diz Gilmar sobre Zagallo

'Ele sabia conduzir muito bem os jogadores', diz Gilmar sobre Zagallo

Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, comentou sobre a importância de Zagallo para a Seleção. "Que os atletas possam resgatar o trabalho que Zagallo desenvolveu e se inspirem nele. Saber que a camisa da seleção tem que ser honrada, abençoada e ser defendida".

Para Juan Silveira dos Santos, da comissão técnica do Flamengo, Zagallo era sinônimo de seleção brasileira. "O futebol brasileiro perde uma lenda. Em termos de seleção brasileira, ele é a história da seleção. Ele viveu intensamente a seleção. A imagem dele é ligada a imagem vitoriosa da seleção".

Durante o velório, Rodrigo Paiva, diretor de comunicação da CBF, passou mal e desmaiou. Ele foi levado para a ambulância no local e, segundo os socorristas, está bem.

LEIA TAMBÉM: