O vice-presidente Geraldo Alckmin defendeu nesta quarta-feira (28) o programa do governo que prevê a redução de impostos com o objetivo de estimular a compra, pela indústria nacional, de máquinas. Para ele, a iniciativa pode "melhorar a produtividade" e fazer a economia do país crescer.

Alckmin – que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços – fez as afirmações em entrevista à jornalista Míriam Leitão. O programa com a participação do vice-presidente vai ao ar nesta quarta-feira, a partir das 23h, na GloboNews.

A medida que trata da chamada "depreciação acelerada" tenta estimular setores econômicos a investirem em novos equipamentos, aparelhos e instrumentos. Com a modernização das fábricas brasileiras, o governo espera um aumento da produtividade.

"Você [empresário] vai investir em bens de capital, e você vai ganhar produtividade. Temos dois problemas na economia: baixo investimento, baixa produtividade. Você vai ao encontro dos dois. Melhorar investimento, melhorar produtividade. O que é a depreciação superacelerada? Substitua suas máquinas e equipamentos, eu diminuo imposto de renda da pessoa jurídica e diminuo a CSSL", afirmou Alckmin.

Indústria brasileira fica estagnada em 2023

Segundo o vice-presidente, o estímulo deve custar aos cofres públicos cerca de R$ 1,7 bilhão neste ano; e mais R$ 1,7 bilhão em 2025.

Desde que Lula assumiu o poder, em janeiro de 2023, a equipe econômica do governo tenta melhorar o desempenho da economia e elevar a arrecadação para zerar o déficit fiscal – meta considerada "ambiciosa" por economistas e especialistas do mercado.

Alckmin concede entrevista à jornalista Míriam Leitão — Foto: Reprodução/GloboNews

'Perdendo, tentaram o golpe, imagina se tivessem vencido'

"O presidente Lula salvou a democracia. Se, perdendo, eles tentaram o golpe, imagina se tivessem vencido. Isso é a pior coisa que tem para a própria economia. As ditaduras suprimem a liberdade em nome do pão. Não dão o pão que prometeram, nem devolvem a liberdade que tomaram", afirmou o vice-presidente.